metodosde investimentos em opçoes binarias tabela cam opções binárias trade investimento de valor 8 programas para analise de opçoes binarias what is spot forex trading video video day trader operando canal de forma corretamente operação de venda day trade modal mais trend trading forex operação day trade limite operação normal como funciona o mercado forex trading operando trader na rico opções binárias suporte e resistência quando abri a operaçap best forex trading tips a operação day trade temsomente liquidação financeira olymp trade valor minimo operação cursos de opções binarias gratis speed trader investimentos login
Home Municípios Presidente da AMA alerta que novo salário mínimo vai sobrecarregar municípios

Presidente da AMA alerta que novo salário mínimo vai sobrecarregar municípios

Por Alagoas Brasil Noticias

Presidente da AMA alerta que  novo salário mínimo vai sobrecarregar municípios | FOTO: CORTESIA

O novo salário mínimo de R$ 1.045, que começou a vigorar no dia 1º de fevereiro, vai sobrecarregar ainda mais os municípios alagoanos – que já sofrem com as finanças comprometidas – segundo a avaliação de Pauline Pereira (PP), prefeita de Campo Alegre que assumiu mês passado a presidência da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA). 

“Ao mesmo tempo que a entidade vê com bons olhos o aumento do poder aquisitivo da população, se preocupa com a sobrecarga dos municípios que têm a maior parte dos empregados do país, sendo mais de 3 milhões deles com remuneração vinculada ao salário mínimo. O maior problema dessa política é que ela não conta com a designação de uma fonte de custeio e não dá espaço para nenhuma possibilidade de intervenção do gestor municipal. E o Nordeste sofre mais pela falta de oportunidade de emprego e os municípios terminam sendo os grandes geradores de emprego”, afirmou a presidente da AMA.

De acordo com a Confederação Nacional de Municípios (CNM), por causa do reajuste do salário mínimo, os municípios brasileiros vão amargar um impacto de R$ 2,164 bilhões nas contas este ano, um acréscimo de 6,7% em relação a 2019. “Os recursos que as prefeituras têm direito, como o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e as transferências para execução dos programas federais também estão sem reajuste ou com correções abaixo da inflação. Paralelo a isso, os custos fixos como a folha, o aumento da energia e do combustível, que aumenta com o desenvolvimento natural das cidades, tornaram as finanças das prefeituras insustentáveis”, explica a prefeita Pauline Pereira.

Na última quarta-feira (5), a CNM divulgou nota sobre o reajuste. “Em comparação com o ano passado, o salário mínimo aumentou R$ 47,00 (4,7%) ? indo de R$ 998 para R$ 1.045. Inicialmente, o governo federal havia fixado o valor em R$ 1.039, mas houve uma atualização ainda em janeiro e com vigência a partir de 1º de fevereiro. É importante destacar que os Municípios têm a maior parte dos empregados do país tem remuneração vinculada ao salário mínimo. Outro ponto é que os encargos patronais aumentam os custos do empregador em 16,05% sobre o salário-base”, explica nota da CNM.

O novo valor do salário mínimo – que passou de R$ R$ 1.039 para R$ 1.045 – começou a vigorar no último dia 1º de fevereiro, após publicação no Diário Oficial da União em janeiro deste ano. O impacto anunciado com a correção, segundo o próprio governo, é de R$ 2,13 bilhões em 2020. 

Ainda segundo a CNM, os aumentos progressivos no salário mínimo impactam diretamente os gastos com pessoal das prefeituras. Desde 2003, a medida acumula um impacto de R$ 37,445 bilhões na folha de pagamento municipal e que o maior problema dessa política é que ela não conta com a designação de uma fonte de custeio e não dá espaço para nenhuma possibilidade de intervenção do gestor municipal.

Fonte: Gazeta Web


Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário