Saúde

Covid-19: chineses concluem que hidroxicloroquina não é melhor que cuidado usual

Pesquisadores estudam se o remédio, usado para tratar o lúpus e a artrite reumatoide, teria eficácia contra o novo coronavírus | Por FOLHAPRESS | 25/03/20 | 19h50

A hidroxicloroquina é um pouco diferente do fosfato de cloroquina, usado no tratamento da malária
 
Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Não há diferença significativa entre a hidroxicloroquina e outros cuidados já adotados para tratar casos de Covid-19, mostra o primeiro estudo controlado feito por pesquisadores chineses.

A droga, usada para tratar o lúpus e a artrite reumatoide, é uma das várias que os cientistas estão testando para ver se há melhora de sintomas e recuperação de pacientes infectados pelo novo coronavírus.

O estudo testou apenas hidroxicloroquina sozinha, não com o antibiótico azitromicina. Esta é uma das limitações apontadas pelos revisores do trabalho, além do número de pacientes envolvidos (30).

A terapia combinada de azitromicina e hidroxicloroquina tem sido considerada melhor do que a monoterapia com hidroxicloroquina para controlar a infecção mista de vírus e bactérias, mas o uso é ainda “off label” – quando uma droga é aprovada para determinada função e utilizada para outra – ou dentro de ensaios clínicos que estão em andamento.

A hidroxicloroquina é um pouco diferente do fosfato de cloroquina, outro medicamento atualmente usado no tratamento da malária, que está sob investigação para o tratamento da Covid-19. Ambos os fármacos estão em uso há décadas, mas também apresentam riscos.

“Muitos médicos de terapia intensiva estão dispostos a tentar qualquer coisa nesses tempos sem precedentes”, disse Mel Thomson, especialista em doenças infecciosas que revisou os dados.

“Qualquer uso generalizado de medicamentos anti-infecciosos ‘off label’ deve ser tratado com muita cautela, pois as consequências não intencionais podem significar um aumento na resistência a esses compostos por parasitas e bactérias, seus alvos pretendidos originais”, afirmou Thomson.

O novo estudo, liderado por uma equipe do Centro Clínico de Saúde Pública de Xangai, na China, envolveu 30 pacientes hospitalizados com Covid-19.

Metade dos pacientes recebeu 400 mg de hidroxicloroquina por dia durante cinco dias, além dos cuidados usuais, enquanto os outros pacientes do grupo controle tiveram apenas os cuidados usuais. Não se utilizou um placebo.

Os cuidados usuais incluíram repouso no leito, inalação de oxigênio e administração de medicamentos antivirais ou antibióticos, conforme necessário ou recomendado, de acordo com o plano de tratamento do hospital.

Todos os pacientes de ambos os grupos receberam interferon alfa com um nebulizador e umifenovir – um tratamento antiviral aprovado na China para influenza (administrado em 67% dos pacientes em tratamento usual e em 80% dos pacientes que receberam hidroxicloroquina).

Dois pacientes receberam lopinavir-ritonavir, um antiviral normalmente usado para tratar infecções por HIV.

Na admissão, a tomografia computadorizada do tórax não encontrou diferenças significativas entre os dois grupos. Nenhuma paciente estava grávida ou apresentava condições subjacentes graves, incluindo condições neurológicas ou psiquiátricas.

Os pesquisadores estabeleceram como seu objetivo primário (resultado mais importante para medir a eficácia) a redução na carga viral, definida pelo teste Covid-19 (PCR).

Uma semana após a hospitalização, 86,7% dos pacientes no grupo experimental e 93,3% dos pacientes no grupo de atendimento habitual apresentaram resultado negativo. A diferença não foi estatisticamente significativa.

Em duas semanas, todos os pacientes de ambos os grupos apresentaram resultado negativo e melhora nos sintomas.

Diarreia em curto prazo e função hepática anormal ocorreram em 26,7% do grupo hidroxicloroquina e em 20% do grupo de controle. A taxa de eventos adversos (efeitos colaterais que podem ou não estar relacionados à medicação) foi semelhante nos dois grupos.

A temperatura dos pacientes voltou ao normal praticamente na mesma proporção nos dois grupos. A progressão da doença nas imagens de tomografia computadorizada também foi estatisticamente semelhante (33,3% do grupo hidroxicloroquina e 46,7% do grupo de cuidados habituais).

Fonte: O Tempo 

Facebook Comments

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar