Home Brasil Cabeleireira brasileira usa “racismo reverso” para minimizar morte de George Floyd

Cabeleireira brasileira usa “racismo reverso” para minimizar morte de George Floyd

Por Alagoas Brasil Noticias
 
(Foto: Reprodução)  

  A cabeleireira Marisol Motta, de 22 anos, publicou vídeos no Instagram amenizando a morte do cidadão negro George Floyd, imobilizado e asfixiado por um policial branco nos Estados Unidos. Com argumentos pautados em “racismo reverso”, a profissional de Passa Quatro, Minas Gerais, afirmou que, se Floyd fosse branco, a mobilização em torno de seu assassinato não seria a mesma.

“Se o cara que tivesse morrido fosse branco, será que ia acontecer tudo isso? Será que são só os brancos que são preconceituosos ou os negros também são? Os negros falarem mal dos brancos é preconceito também. Eu acho que vocês reclamam de barriga cheia. Imagina se fosse na época do Hitler? Será que ia ter alguém vivo? No Brasil principalmente, porque aqui é tudo mestiço. Ninguém é branco 100% e ninguém é preto 100%. Tudo misturado”, diz Motta nos stories.

“Vocês ficam falando, ‘ai, negro é maltratado’, gente, o Barack Obama era o que? O cara era presidente. Provavelmente, ele estudou muito para chegar onde chegou. Ele virou presidente, ele é rico. Ele é um negro legal cara, não é porque ele é preto que ele vai ser uma pessoa ruim”, acrescentou. 

Cidadão negro

Maurício Ricardo
@MauricioRicardo
 

O mundo não estava preparado pras redes sociais e vem dando muito, muito ruim.

Vídeo incorporado
360 pessoas estão falando sobre isso

Maurício Ricardo
@MauricioRicardo

O mundo não estava preparado pras redes sociais e vem dando muito, muito ruim.

Vídeo incorporado
 

francisco josé espinola 🇧🇷❤️😀🌎🏡
@gcomentarios
 

Devia haver exame de habilitação para usar a rede

Veja outros Tweets de francisco josé espinola 🇧🇷❤️😀🌎🏡
 
Fonte: Brasil 247  

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário