Anadia/AL

28 de julho de 2021

Anadia/AL, 28 de julho de 2021

Terceiro FPM de junho para municípios de AL será de R$ 52,4 milhões

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 28 de junho de 2020

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
FPM

Última parcela da complementação da União ao FPM, por meio do apoio financeiro liberado pela MP 938/2020, entrará até o dia 15 de julho. Foto: Divulgação.

O terceiro e último repasse do mês de junho do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), no valor de R$ 52.449.520,45, entra nas contas das prefeituras alagoanas na próxima terça-feira, 30. O repasse é R$ 1,7 milhão menor se comparado ao mesmo período do ano passado, quando foram repassados aos municípios um total de R$ 54,1 milhões. Para todo país, segundo cálculos da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a retração é superior a 20,94% sobre o total a ser repassado para todas as prefeituras.

Do total repassado, os 2.454 Municípios de coeficientes 0,6 ficarão com R$ 457.362 milhões. As 166 cidades de coeficientes 4,0 recebem 12,81% ou R$ 295 milhões. Além dos 20% do Fundeb, os prefeitos devem se atentar as vinculações de 15% da saúde e o 1% do Pasep.

Em Alagoas, dos 102 municípios do estado, 29 recebem com base no coeficiente 0,6, totalizando R$ 211,1 mil em recursos. As cidades com coeficiente 1,2 somam R$ 422,2 mil, que serão transferidos para 17 localidades alagoanas.

“Precisamos da complementação, no mínimo, até dezembro para mantermos os serviços prestados”, destaca o presidente da CNM, Glademir Aroldi, ao falar da queda do FPM. “É nos Municípios que a vida acontece, e para enfrentar a pandemia causada pelo novo coronavírus é fundamental que o governo pague o mesmo valor de 2019”. Sob relatoria do deputado Hildo Rocha (MDB-MA), a Medida Provisória (MP) 398/2020 pode garantir isso.

Crise

Aroldi lembra ainda que a última parcela da complementação da União ao Fundo, por meio do apoio financeiro liberado pela MP 938/2020, entrará até o dia 15 de julho, mas os compromissos assumidos, a paralisação da economia e redução da arrecadação deve perdurar por longo período.

O presidente da CNM tem mostrado que o auxílio a Estados e Municípios ajudou, mas não é suficiente. “Os Municípios ficam com a menor fatia do bolo tributário nacional, e as principais fontes de suas receitas são de transferências constitucionais”, lamenta.

Fonte: Gazeta Web

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter