desde quando existem opções binárias assinar um robot day trader pronto para investir como operar day trade do 0 como operar trade 365bet currículo eduardo melo trader prime invest free forex trading signals ficar rico com opcoes binarias operando swing trade com mini indice na clear declarar operações day trade índice e dolar operar day trade ações dey trader aprenda a investir por que opções binárias e proibida forex trading strategies for beginners broker de forex y cfd trading online o que é martingale opções binárias forex trading como funciona quanto gastar por dia opçoes binaria
Home Uncategorized Santos sofre pressão de patrocinadores antes de votação sobre Robinho

Santos sofre pressão de patrocinadores antes de votação sobre Robinho

Por Cleysson Carlos

A contratação de Robinho pelo Santos, anunciada no último sábado (10), terá de ser aprovada pelo conselho deliberativo do clube, em reunião marcada para a próxima quarta-feira (21). Se a autorização for negada, o estatuto da agremiação obrigará que o negócio seja desfeito.

Esse trâmite já estava previsto, mas a votação acontecerá sob crescente pressão de patrocinadores do clube após a chegada do atacante, condenado em primeira instância na Itália a nove anos de prisão por violência sexual. Ele nega que tenha cometido o crime e recorreu.

A insatisfação dos anunciantes foi ampliada nesta sexta (16), com as revelações pela Globo de gravações de conversas do atleta, tidas como fundamentais para a condenação. Para a Justiça italiana, o conteúdo das interceptações mostrou que Robinho e os demais acusados do crime sabiam da condição da vítima.

Ao menos dois patrocinadores entraram em contato com a diretoria santista, exigindo uma postura enérgica do clube em relação ao caso.

A Kicaldo, empresa do ramo alimentício e que anuncia sua marca nas mangas da camisa do time, avisou ao clube nesta manhã que deverá manter o patrocínio somente se a contratação for desfeita. Esse contrato rende ao Santos aproximadamente R$ 2,5 milhões.

A Kodilar, que possui um acordo de R$ 1,2 milhão para anunciar nos meiões, estuda tomar a mesma decisão e analisa ainda uma forma de pedir a suspensão de contrato de forma temporária, até a conclusão do caso na Justiça italiana.

Apesar disso, a empresa avalia que, independentemente de Robinho ser inocentando, a postura do jogador, a partir do conteúdo das conversas, é inadmissível e não o exime de culpa.

As duas empresas aguardam retorno do clube para tomarem uma decisão.

Sem um patrocinador máster na camisa desde o final de 2018, o Santos depende do fatiamento de espaço no uniforme para conseguir receita.

Na quarta, a Orthopride, rede de franquias de ortodontia e estética, rescindiu o seu contrato de patrocínio com o clube, iniciado em 2018 e no valor de R$ 2 milhões, por causa da contratação.

A votação do conselho deliberativo é necessária por causa das eleições, marcadas para 12 de dezembro. Segundo o estatuto do clube, a menos três meses do pleito, o comitê de gestão não pode contratar, vender jogadores ou antecipar receitas sem autorização do conselho, que vai decidir por maioria simples entre os presentes.

Ao todo, o clube tem 303 conselheiros aptos a votar (entre honorários, efetivos e eleitos), mas dificilmente esse será o quórum da assembleia.

“O comitê de gestão nos informou da contratação e os detalhes foram enviados para a comissão fiscal, que deu parecer favorável. Agora, o conselho terá de aprovar ou rejeitar a contratação”, afirma o presidente do conselho deliberativo do Santos, Marcelo Teixeira.

Até o momento, o atleta não é considerado culpado pelo crime, já que o processo ainda está tramitando na Justiça italiana, composta por três instâncias.

Somente depois de percorrer essas três fases, a sentença pode ser considerada definitiva, com absolvição ou condenação -e, neste caso, com o início do cumprimento da pena.

A audiência no Tribunal de Apelação de Milão está agendada para o dia 10 de dezembro.

“Será a primeira vez [do processo] nesse tribunal, mas não sei dizer se será a última, porque o juiz pode querer reabrir alguma questão ligada a provas, aprofundar alguma coisa, ouvir novamente alguma testemunha”, disse à Folha no início da semana o advogado Alexander Guttieres, que representa Robinho ao lado de Franco Moretti. Os dois escritórios, sediados em Roma, assumiram o caso depois da decisão de primeiro grau.

Caso a sentença final, na terceira instância, considere Robinho culpado, um novo processo terá início, dessa vez para decidir sobre o cumprimento da pena de prisão. A Constituição brasileira impede a extradição de brasileiros para países onde crimes tenham sido cometidos.

O caso voltou à tona nos últimos dias, depois que seu retorno ao Santos foi anunciado, provocando indignação de torcedores e levantando o debate sobre a posição do clube, considerada contraditória após a participação em campanhas de combate à violência contra a mulher.

Na quarta (14), após a notícia da perda de uma patrocinadora por causa da contratação, a agremiação publicou sua primeira nota oficial sobre o assunto.

“O clube não pode entrar no mérito da acusação, pois o processo corre em segredo de Justiça na Itália e sobretudo o Santos FC orgulha-se de, em sua história, sempre respeitar as garantias fundamentais do ser humano, dentre as quais, a presunção da inocência e o respeito ao devido processo legal”, afirma a nota.

“Não será o Santos FC que lhe dará uma sentença antecipada, prejulgando e o impedindo de exercer sua profissão”, continua a agremiação. “Infelizmente vivemos na era dos cancelamentos, da cultura dos tribunais da internet e dos julgamentos tão precipitados quanto definitivos, porém há a certeza que o torcedor do Santos FC entenderá que compete exclusivamente à Justiça realizar o julgamento.”

O clube diz ainda que não há mudanças em seu posicionamento nas campanhas de combate à violência contra a mulher: “São valores irrenunciáveis e que fazem parte da história do legado Alvinegro”.

A Folha procurou o Santos novamente após a divulgação das conversas interceptadas e aguarda uma resposta.

O acordo inicialmente firmado entre Robinho e o time tem duração prevista de cinco meses, até o fim do Campeonato Brasileiro, em fevereiro de 2021.

O salário, segundo o clube, será simbólico de R$ 1.500, mas envolve também outros ativos de performance, prevendo bônus de R$ 300 mil após dez partidas jogadas e outros R$ 300 mil depois de 15 jogos. Os valores, no entanto, só serão pagos no próximo ano.

Fonte: Folhapress

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário