Home Mundo Ataque “terrível” a escola no Camarões deixa 7 crianças mortas e choca o país

Ataque “terrível” a escola no Camarões deixa 7 crianças mortas e choca o país

Por Alagoas Brasil Noticias

Soldados do Exército camaronês, que combate os grupos separatistas armados. Cameroon-Info.Net / 

O coronel Cyrille Atonfack Guemo, porta-voz do Exército camaronês, confirmou neste domingo (25) a morte de uma sétima criança. O governo havia declarado em um relatório inicial que seis crianças foram “assassinadas” no sábado (24) “por bandos terroristas separatistas armados”.

Um relatório fornecido pela ONU relatou na noite de sábado pelo menos oito crianças mortas e outras doze feridas por tiros e facões.

O ataque foi realizado na manhã de sábado por uma dezena de homens equipados com armas de guerra, que invadiram o terreno do complexo escolar privado da Academia Internacional Bilíngue Madre Francisca em motocicletas, antes de abrir fogo contra alunos que se encontravam em sua classe.

Por quase três anos, grupos separatistas e o Exército têm lutado nas duas regiões camaronesas do noroeste e sudoeste, onde vive a maioria da minoria de língua inglesa, parte da qual se considera marginalizada pelo maioria francófona do país.

Neste domingo, uma dezena de crianças feridas, algumas das quais estão entre a vida e a morte, estão sendo tratadas em hospitais da região, incluindo os de Kumba, Buea e Mutengene.

Uma equipe de Médicos Sem Fronteiras (MSF) cuidou de dez deles, com idades entre dez e quinze anos, sete dos quais estavam em estado grave, feridos por arma de fogo, de acordo com Alberto Jodra, coordenador de MSF na região sul, e atualmente em Kumba.

“Na cidade, ontem e hoje, as pessoas foram realmente afetadas por esse ataque que teve como alvo civis e estruturas que nunca deveriam ser alvos. O que aconteceu ontem está além da compreensão de ninguém”, disse Jodra neste domingo. “Há raiva, mas também há medo do que acontecerá agora. A violência aumentará e a população civil ficará no meio, infelizmente”, acrescentou Jodra.

Várias dezenas de manifestantes, a maioria mulheres, se reuniram na cidade agredida no domingo para dizer “Não às matanças e assassinatos”, cantando e marchando “contra a violência”.

Comoção

O crime causou comoção em todo o país e além dele. O governo camaronês referiu-se a “um ato terrorista de crueldade e barbárie insuportáveis”, enquanto Maurice Kamto, líder da oposição, descreveu o ato como “horror absoluto”.

“Não há palavras para pesar ou condenação forte o suficiente para expressar todo o meu horror pelo ataque brutal que atingiu crianças da escola primária enquanto elas estavam sentadas em sala de aula ”, também reagiu Moussa Faki Mahamat, presidente da União Africana.

Em nota, o ministro da Comunicação, René Emmanuel Sadi disse que “o objetivo dos separatistas é quebrar a dinâmica observada na retomada das aulas no âmbito do ano letivo 2020/2021 nas regiões Noroeste e Sudoeste, e assim dissuadir os pais de enviar seus filhos à escola.

“Boicotar escolas foi uma estratégia dos separatistas nos últimos anos. Cerca de 700.000 jovens estavam fora do sistema escolar por causa do conflito”, disse Arrey Elvis Ntui, analista sênior do grupo International Crisis au Cameroun.

“O governo e a sociedade civil de língua inglesa pressionaram muito os grupos separatistas para que devolvessem seus filhos à escola, e as escolas que estavam fechadas há anos começaram a reabrir”, continuou.

As escolas foram um alvo no passado recente, mas nunca experimentaram um massacre de tal magnitude. Em meados de maio, um professor da Universidade de Bamenda (Noroeste) foi notavelmente morto a tiros por separatistas porque se recusou a parar de ensinar, de acordo com a ONG Human Rights Watch (HRW).

Os combates em Camarões nas regiões de língua inglesa, mas também as atrocidades e assassinatos de civis nos dois campos, de acordo com muitas ONGs, deixaram mais de 3.000 mortos e forçaram mais de 700.000 pessoas a fugir de suas casas.

Fonte: RFI



Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário