Home Brasil Governadores querem definir com OMS estratégia sobre vacina

Governadores querem definir com OMS estratégia sobre vacina

Por Alagoas Brasil Noticias

Mobilização dos chefes dos Estados ocorre após Bolsonaro manifestar resistência ao imunizante chinês; outra aposta é diálogo com o Congresso – Por Camila Turtelli – Wellington Dias está articulando encontro entre governadores – Foto: Marcelo Cardoso / Futura Press / Publicado Por ABN às 16:38

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), está articulando uma reunião com Jarbas Barbosa, diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e da oficina regional para as Américas da Organização Mundial da Saúde (OMS), para tratar sobre a vacina contra covid-19. Os chefes dos Estados se mobilizam após o presidente Jair Bolsonaro manifestar resistência à compra da Coronavac, imunizante desenvolvido em parceria do laboratório chinês Sinovac e do Instituto Butantã, de São Paulo.
Dias foi escolhido por seus pares, no Fórum dos Governadores, para ser o porta-voz nas articulações sobre o produto que, apesar de ainda não existir com eficiência cientificamente comprovada, já tem motivado ações judiciais e impasses envolvendo os governos estaduais e federal. A ideia é definir uma linha para o desenvolvimento da vacina, no Brasil, alinhada com o trabalho da OMS em todo o mundo.

Na semana que vem, os governadores vão se reunir com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para tratar do assunto. A intenção é tentar encontrar caminhos pelo Legislativo para garantir o desenvolvimento pleno das pesquisas em curso no Brasil e, assim que houver aprovação dos órgãos legais, sua distribuição.

Maia tem dito que não se pode deixar espaço para que o Supremo Tribunal Federal (STF) decida sobre questões ligadas ao medicamento. Para o presidente da Câmara, o Congresso e o poder Executivo devem tomar a dianteira nessa discussão sobre a obrigatoriedade da vacina. Já o presidente da Corte, ministro Luiz Fux, disse prever uma judicialização “importante” e “necessária” em relação ao tema.

Há, atualmente, dois principais impasses envolvendo a vacina no Brasil. Um é se o medicamento deverá ser obrigatório ou não. O presídente é contrário a qualquer plano de impor a vacinação. O outro é sobre a resistência à Coronavac.

Bolsonaro já repetiu algumas vezes que não vai comprar essa vacina específica pela sua nacionalidade. O domicílio eleitoral do medicamento, que é o Estado governado por João Doria (PSDB), também é um ponto que afasta o presidente da vacina chinesa. Dependendo do curso das pesquisas, esse produto pode ser aprovado antes do imunizante que está sendo desenvolvido pela farmacêutica britânica AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que tem parceria com a FioCruz e o apoio de Bolsonaro.

Os governadores querem que, independentemente da origem da vacina, todas as pesquisas sejam incentivadas pelo governo e possam ser distribuídas para os brasileiros gratuitamente, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Em entrevista à revista Veja, publicada nesta sexta-feira, o vice-presidente Hamilton Mourão contradisse Bolsonaro e garantiu que o governo comprará a vacina feita pelo Butantã. “É lógico que o governo federal vai comprar doses do imunizante”. “Já colocamos os recursos no Butantã para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí”, afirmou Mourão à Veja.

Fonte: Terra



Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário