Anadia/AL

27 de setembro de 2021

Anadia/AL, 27 de setembro de 2021

Avaliação de desempenho do TJ: prazo termina no dia 14 de novembro

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 6 de novembro de 2020

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
xx

Questionário está disponibilizado no sistema GCA, dentro do Intrajus. Arte: Clara Almeida

Os questionários da avaliação de desempenho dos servidores do Judiciário deverão ser respondidos até o dia 14 de novembro. De acordo com a Diretoria Adjunta de Gestão de Pessoas (DAGP) do Tribunal de Justiça de Alagoas, o prazo não será prorrogado.
 
Avaliadores e avaliados que estejam com dúvidas sobre o procedimento poderão participar da sensibilização virtual organizada pela DAGP. As duas últimas turmas ocorrerão nesta segunda (9) e sexta (13), às 14h. (Inscreva-se aqui para a turma 5 e aqui para a turma 6).
 
As vagas são limitadas. Os participantes deverão permanecer na transmissão ao menos 80% do tempo, para que ao final recebam certificado. Também é importante registrarem um comentário, descrevendo as unidades em que trabalham.
 
A sensibilização apresentará a parte inicial do ato normativo 19/2020, que trata da avaliação de desempenho dos servidores. O objetivo é esclarecer dúvidas acerca do preenchimento dos questionários e sobre o procedimento de abertura de pedidos de desenvolvimento funcional.
 
De caráter obrigatório, a avaliação deve ser feita pelos servidores efetivos e comissionados do Judiciário. O questionário está disponibilizado no sistema GCA, dentro do Intrajus.
 
Caso não façam a avaliação, os servidores poderão obter conceito insuficiente, de acordo com as regras do ato normativo 19/2020. As avaliações ficarão armazenadas em um banco de dados que contém o histórico de cada funcionário.
 
De acordo com o diretor de gestão de pessoas do TJAL, Abelardo Laurindo, as informações recolhidas são necessárias para que o Tribunal conheça os servidores e identifique a política correta de pessoal para os próximos anos. “A avaliação de desempenho tem resultado essencial porque ela identifica as potencialidades e deficiências de cada servidor”.
 
Para o diretor, é fundamental que as avaliações sejam feitas de forma justa e coerente com a realidade. “É a partir desse resultado que o Tribunal vai se aperfeiçoando, vai focando em cursos de desenvolvimento voltados para as áreas deficitárias”, reforçou.
 
Fonte: Correio dos Municípios 
 
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter