Home Mundo Furacão Iota perde força após deixar dezenas de mortos na América Central

Furacão Iota perde força após deixar dezenas de mortos na América Central

Por Alagoas Brasil Noticias

Os países da América Central faziam nesta quinta-feira (19) um balanço da devastação causada pela passagem do furacão Iota, o segundo a atingir a região em novembro e que deixou 44 mortos em deslizamentos e inundações. AFP – EFRAIN HERRERA – 21:49

Na quarta-feira (18), as autoridades da Nicarágua anunciaram um novo balanço provisório de 18 mortos, entre elas sete crianças. Dezenas de milhares de pessoas ficaram isoladas por conta das inundações e deslizamentos, sem eletricidade ou água potável.

Em Honduras, 14 pessoas morreram depois da descoberta dos cadáveres de oito pessoas que morreram em um deslizamento. A passagem do Iota também deixou dois mortos na Guatemala, dois em um arquipélago colombiano no Caribe, um morto no Panamá e outro em Salvador. 

O Iota é o segundo furacão a atingir a região em novembro, provocando deslizamentos e inundações.

Cerca de 4,6 milhões de pessoas foram afetadas na América Central, incluindo 1,8 milhão de crianças, de acordo com estimativas iniciais do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Bilwi, na Nicarágua, continuava isolada, sem água ou eletricidade, e a comida começava a ficar escassa, segundo uma equipe da AFP na área.

As unidades de resgate retomaram na quinta-feira (19) a busca pelos corpos soterrados na terça-feira após um deslizamento de terra no maciço de Peñas de Blanca, no departamento nicaraguense de Matagalpa, onde nove mortes foram contabilizadas até o momento, entre elas as de seis crianças.

De acordo com o governo, Iota deixou danos “catastróficos” à infraestrutura do país, um dos mais pobres da região. Cerca de 250 brigadas municipais foram enviadas nesta quinta-feira para coletar entulhos e árvores caídas em toda a Nicarágua, com a ajuda de mais de 450 equipamentos e máquinas, como caminhões, retroescavadeiras e caçambas.
Ajuda internacional

A agência americana de cooperação internacional, por sua vez, anunciou um apoio de  US$ 17 milhões para a região. O Unicef também fez um apelo urgente para arrecadar US$ 42,6 milhões a fim de atender as necessidades humanitárias da América Central.

A Cruz Vermelha anunciou que começará a enviar para Honduras um hospital de campanha, estações de tratamento de água e insumos de higiene para atender a 50 mil pessoas.

As mudanças climáticas provocam o aumento da temperatura nas camadas superficiais dos oceanos, o que gera furacões mais poderosos e tempestades com maior quantidade de água. Isso representa uma ameaça mais perigosa para as comunidades costeiras, segundo estudos do Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Fonte: RFI



Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário