Home Geral Ufal recebe com surpresa determinação do MEC para volta das aulas presenciais

Ufal recebe com surpresa determinação do MEC para volta das aulas presenciais

Por Alagoas Brasil Noticias

Foto: Reprodução – 12:31

A Universidade Federal de Alagoas (UFAL) informou, por meio de nota, na manhã desta quarta-feira, 02, que recebeu com surpresa a portaria do Ministério da Educação (MEC), definindo que as instituições federais de ensino superior retornem às aulas presenciais, a partir de janeiro de 2021. 

A universidade disse no comunicado que o tema será “objeto de discussão nas instâncias acadêmicas e na gestão”, assim como será encaminhado à Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

A UFAL também destacou que o pronunciamento do instituto de ensino sobre a decisão do MEC será realizado após posicionamento em conjunto entre o reitor Josealdo Tonholo e a Andifes.

IFAL

A reportagem entrou em contato também com o Instituto Federal de Alagoas (IFAL) nesta manhã para saber o posicionamento da unidade. A assessoria informou que o IFAL aguarda manifestação do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), e que está em diálogo com o MEC, para emitir um comunicado sobre o assunto.

Entenda a determinação

O Diário Oficial da União publicou, nesta quarta-feira (2), portaria do Ministério da Educação (MEC), determinando que instituições federais de ensino superior voltem às aulas presenciais, em  4 de janeiro de 2021. Para isso, as instituições devem adotar um “protocolo de biossegurança”, definido na Portaria MEC nº 572, de 1º de julho de 2020, contra a propagação do novo coronavírus (covid-19).

O documento estabelece ainda a adoção de recursos educacionais digitais, tecnologias de informação e comunicação ou outros meios convencionais, que deverão ser “utilizados de forma complementar, em caráter excepcional, para integralização da carga horária das atividades pedagógicas”.

O texto da portaria diz, também, que as “práticas profissionais de estágios ou as que exijam laboratórios especializados, a aplicação da excepcionalidade”, devem obedecer as Diretrizes Nacionais Curriculares aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), “ficando vedada a aplicação da excepcionalidade aos cursos que não estejam disciplinados pelo CNE”.

O documento estabelece, que, especificamente, para o curso de medicina, “fica autorizada a excepcionalidade apenas às disciplinas teórico-cognitivas do primeiro ao quarto ano do curso, conforme disciplinado pelo CNE”.

Fonte: TNH1

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário