trader opero ações índice e dólar como investir com robo trader opções binárias teoria forex trading psychology gerenciamento de risco opções binárias day trade como operar forex oxigen trading system call put power opções binárias quais operações entram no day trade organização que regulamenta empresa de opções binárias estados unidos tudo sobre opçoes binaria melhores corretoras opçoes binarias brasil trade marketing operações entendendo o mercado de opções binarias estrategias para investir em binarias o que é forex opções binarias which one is better for trading forex mt4 or mt5
Home Religião No Natal, renascer reconhecendo-se filho de Deus, exorta Papa

No Natal, renascer reconhecendo-se filho de Deus, exorta Papa

Por Alagoas Brasil Noticias

Papa Francisco durante Missa do Galo presidida nesta quinta-feira, 24, Véspera de Natal/ Foto: Vincenzo Pinto/Pool via REUTERS | Julia Beck | 17:58

A tradicional Missa do Galo foi celebrada nesta quinta-feira, 24, véspera de Natal, na Basílica de São Pedro. A celebração, que aconteceu às 19h30, (15h30 horário de Brasília), foi presidida pelo Papa Francisco e contou com a participação limitada dos fiéis.

 “Essa noite se cumpre a grande profecia de Isaías. O menino nasceu para nós, um filho nos foi dado”, destacou o Pontífice no início de sua homilia. O Santo Padre recordou que com frequência se diz que a maior alegria da vida é o nascimento de uma criança, já que é um acontecimento extraordinário, que traz uma felicidade indescritível. “Hoje Jesus nasce para nós, para mim e para cada um”, sublinhou.

Em sua reflexão, o Papa chamou atenção para a preposição “para” que aparece várias vezes na solenidade do Natal: “Um menino nasceu para vós. Hoje nasceu para nós. Jesus entregou-se por nós. O anjo anuncia: hoje nasceu para vós o Salvador”. A alocução “para nós”, explicou Francisco, quer dizer que o filho de Deus deseja fazer de todos os homens e mulheres, filhos de Deus por sua Graça.

O Pontífice frisou que Jesus veio ao mundo para fazer homens e mulheres, filhos de Deus. “Que dom maravilhoso. Hoje Deus nos deixa maravilhados ao dizer: tu és uma maravilha; não desanimes, tu não és um erro, és o meu filho. (…) Deus diz: coragem, estou contigo. Deus não diz com palavras, mas se fazendo filho como nós”.

Reconhecer-se filho de Deus, apontou o Santo Padre, é o principal ponto de partida de qualquer renascimento. “Por baixo das nossas qualidades e defeitos, fracassos do passado e temores está a verdade: somos filhos amados”. O Papa afirmou que o amor de Deus não depende e jamais dependerá da humanidade, ele é gratuito.

“Nessa noite não encontramos explicação, apenas graça. O dom é gratuito, sem merecimento, pura graça. Nessa noite, São Paulo diz que se manifestou a graça de Deus, um filho nos foi dado. Ele não nos deu uma coisa qualquer, mas seu filho unigênito”, comentou Francisco.

Por vezes, o Santo Padre destacou que a humanidade se porta com ingratidão e injustiça, e então surge a dúvida: “O Senhor fez bem nos dando tanto ou confiando ainda em nós? Não estará ele nos superestimando?”. O Pontífice reafirmou que Deus ama a todos com o preço de sua vida e não consegue deixar de amar.

“Tão diferente de nós, sempre nos ama. Deus sabe que a única maneira de nos salvar e nos curar por dentro é nos amando. Só o amor de Jesus transforma a vida, cura as feridas mais profundas e nos livra do círculo vicioso da insatisfação, da irritação e do lamento” – Papa Francisco.

O Filho de Deus em uma manjedoura

Outro questionamento comum apontado pelo Papa é quanto a forma como Jesus veio ao mundo: pobre, em uma manjedoura de um estábulo. “Por que veio a noite, em um alojamento simples, em um estábulo? Por quê?”, questionou. Francisco respondeu: “Para nos fazer compreender até onde chega o seu amor por nós. Ele toca a nossa maior miséria”.

“O filho de Deus nasceu descartado para dizer que todo descartado é filho de Deus. Veio ao mundo como uma criança débil e frágil para podermos acolher com ternura nossas fraquezas e nos fazer descobrir uma coisa importante: Deus gosta de fazer grandes coisas através das nossas pobrezas. Colocou a nossa salvação em uma manjedoura em um estábulo”.

O Pontífice aconselhou: “Deixemos que transforme nossas misérias”. Segundo o Santo Padre, é isso que quer dizer “um filho nasceu para nós”. Recordando outro “para” da liturgia de hoje, o Papa citou a fala do anjo aos pastores: “Isso servirá de sinal para vós, encontrareis um menino em uma manjedoura”. Esse sinal, de acordo com Francisco, é também para todos, para orientar a vida.

Em Belém, que quer dizer casa do pão, o Santo Padre observou que Deus está em uma manjedoura para lembrar que pra viver, homens e mulheres precisamos dEle, como precisam de pão. “Quantas vezes famintos de divertimento, sucesso e mundanidade nos nutrimos de alimentos que não saciam e deixam um vazio dentro?”, indagou.

“Enquanto o boi e o jumento conhecem sua manjedoura, nós, seu povo, não o conhecemos. Ele que é fonte da nossa vida. Na ânsia de ter, nos atiramos a muitas manjedouras vãs, esquecendo-nos da manjedoura de Belém, pobre de tudo, mas cheia de amor”.

O Papa frisou que o alimento da vida é deixar-se amar por Deus e amar os outros. “Jesus dá-nos o exemplo. Ele, o Verbo de Deus, não fala, mas oferece a vida. Nós falamos muito e somos analfabetos em bondade”.

Um Filho nos foi dado

Por fim, Francisco sublinhou a frase “Um filho nos foi dado”. Segundo o Pontífice, quem tem criança pequena sabe quanto amor e paciência são necessários. “Um filho faz nos sentirmos amados e nos ensina a amar”. Desta forma, o Santo Padre afirmou que Deus nasceu menino para impelir homens e mulheres a cuidarem uns dos outros.

Os ternos gemidos de Jesus, comentou o Papa, fazem todos compreenderem que caprichos são inúteis, o amor de Jesus desarmado lembra que o tempo disposto não serve para lamentos, mas para consolar as lágrimas de quem sofre, e que Deus vem habitar dentro de todos, pobre e necessitado, para dizer que servindo os pobres também é possível servi-lo.

O Pontífice encerrou sua homilia com a seguinte oração: “Um filho nos foi dado, sois vós Jesus, o filho que me torna filho. Amai-me como sou, não, como eu me sonho. Abraçando-vos, menino da manjedoura, abraço a minha vida. Acolhendo-o, Pão da Vida, também eu quero dar a minha vida. Vós que me salvais, ensina-me a servir. Vós que não me deixais sozinho, ajuda-me a consolar os vossos irmãos porque a partir dessa noite são todos meus irmãos”.

Fonte: Canção Nova 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário