corretora terra investimentos alocar garantias day trade trader day como operar best forex web trading platform a remuneração dos investimentos isenta ir swap e opçoes opções binárias de confiança opções binárias nos eua é crime eudes opções binárias trader como operar na bolsa pdf trader investment wallpaper phone invest fair trade opções binarias wiki estudar gráfico opções binárias melhores horarios iqoption opçoes binarias forex trading global horario para encerrar operação day trade investindo em ações no olimp trade como realisar o pagamento do investimento do impactus trader
Home NotíciasPolitica Ex-presidente do STF defende impeachment de Bolsonaro

Ex-presidente do STF defende impeachment de Bolsonaro

Por Alagoas Brasil Noticias

Ayres Britto, ex-presidente do STF (Foto: Reprodução) – 16:30

O Brasil terá que afastar Jair Bolsonaro para defender sua ordem constitucional. A opinião é do ex-ministro Carlos Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal (STF).

“O governante central é assim, tem o pé atrás com essa Constituição, consciente ou inconscientemente. Quanto ao impeachment, essa mais severa sanção tem explicação. Somente se aplica àquele presidente que adota como estilo um ódio governamental de ser, uma incompatibilidade com a Constituição. É um mandato de costas para a Constituição, se torna uma ameaça a ela. E aí o país se vê numa encruzilhada. A nação diz, ‘olha, ou a Constituição ou o presidente’. E a opção só pode ser pela Constituição”, disse ele, em entrevista a Anna Virginia Ballousier, publicada na Folha de S. Paulo.

Ayres Britto diz que o conjunto da obra sinaliza o cometimento de crime de responsabilidade.

“Pelo artigo 78, o presidente assume o compromisso de observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro. Ou seja, não é representante dos que votaram nele, dos ideólogos que pensam igual a ele. É de todo o povo. Menos incontinência verbal e mais continência à Constituição. A sociedade civil vai entendendo que regime democrático é para impedir que um governante subjetivamente autoritário possa emplacar um governo objetivamente autoritário. Se o presidente não adota políticas de promoção da saúde, segmentos expressivos da sociedade —a imprensa à frente— passam a adverti-lo de que saúde é direito constitucional. Prioridades na Constituição não estão sendo observadas: demarcação de terra indígena, meio ambiente”, afirma.

 

Fonte: Brasil 247

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário