modelo controle de investimento trade excel opções binárias para youtube estrategia 2m opçoes binaria quanto dinheiro eu preciso pra investir em day trade corretora xe opçoe binaria que pagan de verdade sinais de opções binárias ioption xp investimentos day trade cinais gráficos de opções binárias empresa de investimentos trader trader investimento italo verrisimo operação de trader no forex download benjamin automation trading free forex opcoes binarias futhure como mudar o tipo de dinheiro investido na olympe trader 2a trade.investimento notebook para operar trade i make money trading forex
Home NotíciasEsportes Filipe Luís, que se prepara para ser treinador, analisa trabalhos de Jesus, Dome e Ceni no Flamengo

Filipe Luís, que se prepara para ser treinador, analisa trabalhos de Jesus, Dome e Ceni no Flamengo

Por Alagoas Brasil Noticias

Alexandre Vidal/Flamengo/Divulgação/06.10.2020 | Carlos Eduardo Mansur e Marcello Neves | 17:01 

Em um ano e meio como titular da lateral esquerda do Flamengo, Filipe Luís acumulou títulos — e treinadores. Após a passagem hipervitoriosa do português Jorge Jesus, o time foi comandado pelo catalão Domènec Torrent, demitido depois de pouco mais de três meses. Agora, sob a orientação de Rogério Ceni, o rubro-negro se apega à esperança de conquista do Campeonato Brasileiro para evitar que uma temporada promissora termine sem conquistas de peso. Em entrevista ao GLOBO antes da virada do ano, o jogador analisou os perfis dos três profissionais que o orientaram no Ninho do Urubu. E, na versão exclusiva para assinantes, revelou detalhes da preparação para se tornar, ele mesmo, um treinador.

O que mais ficou da passagem de Jorge Jesus?

Jesus é muito completo. Com ele, era assim: o time jogava no 4-4-2, com Gabigol e Bruno Henrique na frente, Arrascaeta e Everton Ribeiro vindo por dentro, saída de três com Arão, laterais sobem… Eu te falando isso dura dez segundos, mas para ele são quatro treinos. Quando a bola vai no Rafinha, o Filipe fecha para dar sustentação por dentro e o Gerson vai para frente. ‘Ah, beleza, mas o Rafinha foi na linha de fundo. É só isso?’ Não, quem entra na área? Entram Bruno Henrique, Arrascaeta, Gabigol, e Ribeiro vai por dentro. Filipe Luis e Pablo Marí vão marcar os atacantes, e o Willian Arão vai compensar o Rafinha. Isso tudo numa cobrança excessiva. Se o Rafinha fosse cruzar e eu não estivesse marcando o ponta direita, era uma dura extraordinária. Se o Gerson saiu para pressionar e a última linha defensiva não acompanhou, ele cobrava com vídeo. Era muito detalhe, e ele ia falando em todos os treinos e todos os dias. E tinha outra coisa: ele transmitia pra gente que ele era o melhor treinador do mundo e inventou o futebol. Era mais ou menos isso. E o jogador gosta de escutar isso. Diziam que ele era arrogante, pode ser. Quem não é flamenguista achava. Mas quem estava lá, pensava: ‘Não é que ele é bom mesmo, que ele sabe mesmo…?’. Talvez tenha sido o mais meticuloso, detalhista, completo que eu tive.

Então a ideia da liberdade total ao atacar não é correta?

Era tudo treinado. Os movimentos pelo lado, com um terceiro homem (junto a lateral e meia) atacando o espaço… Eram uma exigência. O jogador gosta da bola no pé, tocar, fazer tabela. Ele quer o cara no espaço. O Arrascaeta, por exemplo, resolveu o jogo contra o Grêmio [ida da semifinal da Libertadores] saindo da ponta esquerda, indo na ponta direita e cruzando. O Jorge Jesus gostava disso? Não gostava. Mas quando dava certo, ele mandava continuar. O Arrascaeta tem muito dessa característica, ele é anárquico, cria desequilíbrio ao encontrar o espaço dele e fazer uma genialidade. Ele vai cortar isso? Não. Mas tinha jogos em que ele precisava do Arrascaeta aberto, e ele não estava lá. Não era liberdade total, mas ele libera a criatividade do jogador.

Houve tempo para extrair alguma coisa do trabalho do Dome?

Ele fala muito do Messi, tem muito vivo o Guardiola dentro dele. Falar que deu errado, que não sabe nada… Não! O Dome sabe muito de bola. Ele veio na hora errada, não tenho dúvida. Qualquer um que viesse depois do Jesus seria na hora errada, mas tem muitas coisas boas. A única coisa de que senti falta era de definir um sistema de que ele gostava e dizer para nós: vamos jogar assim, do jeito que eu quero. Ele gostava de jogar num 3-4-3 ou 4-3-3 e não tinha pontas no estilo Douglas Costa, Coman… Então, talvez ele não tenha podido fazer o sistema que queria pela característica dos jogadores. Mas se tivesse feito assim, falado que a gente ia jogar no 4-3-3 e ele iria ensinar para a gente o sistema, talvez tivesse dado certo. Mas ele tinha uma saída de jogo excelente, estudo e pressão no adversário excelentes, ele é muito bom. Mas veio na hora errada. Pegou lesões, Covid… Mas aprendi muito com ele.

E o Ceni?

Mais do que paizão, é um amigão da gente. O Rogério é o que mais parecido joga com o Jesus. O 4-4-2, com algumas ideias diferentes. Sob esse aspecto do cara que vive o futebol 24 horas por dia, Rogério é igual ao Simeone. Ele está começando, tem quatro ou cinco anos, mas já está mais cascudo do que quando estava no São Paulo: entende mais o jogo, soluciona problemas. Na Libertadores, fomos eliminados, mas com um a menos empatamos o jogo pelas trocas dele. Com o passar dos anos, ele tem potencial para chegar à seleção.

Fonte: Yahoo  

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário