incredible divergences co trading system forex campeonato italiano parma trader esportivo investimento plataformas para operar swing trade modal mais crypto trader operando muito além de bitcoin investir no a2 trader abrir conta demo opções binarias planilha de investimentos trader esportivo investir 100 no mercado futuro sendo trader operando meta trader 5 operação suwing trade posso fechar no dia seguinte curso trader de bolsa de valores investindo em ações trainning trading forex wallpaper darf operação day trade operações trade criptomoedas grafico r2 trader investimentos opções binárias e trade curso operar day trade mine contratos rodrigo
Home Brasil Aras ‘se esquiva’ de responsabilidades e deixa comunidade jurídica em alerta

Aras ‘se esquiva’ de responsabilidades e deixa comunidade jurídica em alerta

Por Alagoas Brasil Noticias

R7

O Grupo Prerrogativas, integrado por diferentes advogados e coordenado por Marco Aurélio de Carvalho, afirmou que causa ‘profundo desconforto e espanto’ a nota em que o Procurador Geral da República, Augusto Aras, colocou na conta do Congresso Nacional a análise de crimes de responsabilidade ‘de agentes políticos da cúpula dos Poderes da República’ e citou a possibilidade de um Estado de Defesa- instituto que estabelece diferentes medidas coercitivas e suspende garantias fundamentais.

Segundo os advogados, o PGR ‘parece desejar, ao mesmo tempo, esquivar-se de suas atribuições, pretendendo transferir ao Poder Legislativo a exclusiva responsabilidade de avaliar comportamentos ilícitos do Presidente da República, como também causar desassossego a todos aqueles comprometidos com a defesa da democracia’.

“Ao fazer referência à exceção, anunciando o estado de calamidade pública como antessala do estado de defesa, o Procurador Geral da República deixa em estado de alerta e permanente vigilância toda a comunidade jurídica”, registrou Grupo Prerrogativas em nota.

A manifestação é mais uma reação à nota em que Aras reconheceu indiretamente o aumento da pressão pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro. O texto divulgado na terça-feira, 19, provocou críticas no Congresso e no próprio Ministério Público e foi considerada um “desastre” por atuais integrantes da Corte Suprema.

Segundo o Grupo Prerrogativas, ‘é preocupante que exatamente na mesma semana em que Jair Bolsonaro anuncia que a ditadura ou a democracia dependem da decisão das Forças Armadas, o Procurador Geral da República faça menção ao Estado de Defesa, forma de exceção que restringe ou suprime os direitos asseguradores da dignidade e da cidadania’.

* ISTOÉ


Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário