simulador xp investimentos trade opçoes binarias oque vc precisar aprender pra virar um profissinal qual cod para operar forex meta trader olymp trade operando com criptomoedas opções binárias uma entrada no dia trading breakouts forex como usar a plataforma mt5 pata operar trade trade in view opçoes binarias guide investimentos preços day trade operations scalp trade introdução a opções binárias brokers recomendados de opções binárias call e put opções binarias opções binárias melhores traders do mundo operar na olimp trade sem indicadores curso de trader opções binarias qual a diferença entre trade e investimento
Home Brasil Governo isola Ernesto Araújo em negociação por insumos

Governo isola Ernesto Araújo em negociação por insumos

Por Alagoas Brasil Noticias

Foto: Reuters

O chanceler Ernesto Araújo foi excluído das negociações com a China para a compra de vacinas e insumos contra a covid-19. Depois que o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), conversou nesta quarta-feira, 20, com o embaixador chinês Yang Wanming para tratar do assunto, o governo Jair Bolsonaro divulgou nota para afirmar que é “o único interlocutor oficial com a China” nas negociações.
Maia, porém, disse ter ouvido de representantes chineses que ninguém do governo federal havia procurado a embaixada até então. “Agora, nesse momento, não podemos olhar para conflitos políticos e todos que têm relação com a China podem ajudar”, acrescentou o presidente da Câmara. Quase ao mesmo tempo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), deu entrevista na qual anunciou que o escritório de São Paulo em Xangai também está atuando nas negociações.

O presidente Jair Bolsonaro reuniu nesta quarta-feira ministros, no Palácio do Planalto, e pediu que todos saíssem em defesa do governo na guerra das vacinas. Apesar de gostar de Ernesto Araújo, um integrante da ala ideológica do governo Bolsonaro avalia que ele não deve conduzir qualquer tratativa com a China sobre as vacinas. Mesmo escanteado, porém, o chanceler disse que divergências políticas não foram o motivo do atraso na entrega de insumos para a produção do imunizante.

“Temos relação madura, construtiva, muito correta, tranquila com a China”, afirmou o ministro, ao participar de uma reunião fechada com deputados, por videoconferência.

Mais tarde, foi divulgada uma nota preparada pelo Ministério das Comunicações, comandado por Fábio Faria, dizendo que “outros ministros do Governo Federal têm conversado com o Embaixador Yang Wanming”. O texto menciona que o próprio Faria e os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, e da Agricultura, Tereza Cristina, haviam participado de “conferência telefônica” com o embaixador.

“O Ministério das Relações Exteriores, por meio da embaixada do Brasil em Pequim, tem mantido negociações com o Governo da China”, destaca a nota. Amigo do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho “zero três” do presidente, Araújo já se referiu à covid-19 como “comunavírus” e se envolveu em polêmica com Wanming, no ano passado.

Em novembro, por exemplo, o chanceler saiu em defesa de Eduardo, que, nas redes sociais, havia associado o governo chinês à “espionagem” por meio da tecnologia 5G. Na ocasião, o presidente chegou a elogiar Araújo pela iniciativa.
Agora, no entanto, o Palácio do Planalto considera que, diante dos problemas entre o chanceler e Wanming, outros ministros podem ficar à frente das tratativas com a embaixada. Na outra ponta, Bolsonaro escalou o titular das Comunicações para “ajudar Pazuello”. A tarefa de Faria, na presente situação, é preparar um plano na tentativa de vencer a batalha da comunicação envolvendo os episódios relativos ao coronavírus.

Apesar das pressões para demitir Pazuello, o presidente não pretende tirá-lo do cargo agora. O grupo de partidos reunidos no Centrão quer a cadeira do ministro e já chegou a apresentar até mesmo o nome de Ricardo Barros (Progressistas -PR), líder do governo na Câmara, para seu lugar. Barros já foi ministro da Saúde na gestão Temer. Mas Bolsonaro acha que remover Pazuello agora seria o mesmo que assinar um atestado de incompetência, além de dar o braço a torcer a Doria.

Entre auxiliares do governador de São Paulo, a expectativa é que Pazuello seja mesmo mantido no cargo. Entre tucanos paulistas, o ministro é considerado “confuso” e de uma “lealdade ao presidente que beirar as raias da submissão”, mas há um temor de que seu cargo seja dado para alguém indicado pelo PP, um partido do Centrão que controlou a área da saúde por vários anos e ainda pode usar o cargo para ajudar a eleger Arthur Lira (PP-AL) presidente da Câmara. Nesse sentido, políticos apostam no ruim com ele, pior sem ele. Pazuello, ao menos, diz um tucano, é honesto, previsível, fala o que pensa e é patriota.

* Terra



Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário