xp investimentos pro trader plataforma aprender a operar trade o que se deve olhar antes de operar day trade trade operar com calma com quanto precisa investir trade forex trading welcome bonus qual a configuracao de pc para operar day trade opções binárias como funciona olymp trade consistent forex trading agora invest day trader como fechar uma operação no meta trader 5 top corretoras opções binarias milionários de opções binárias forex vsd trading system mt5 trade map investing.com opções binárias vai acabar? opçoes binarias binatex
Home NotíciasPolitica Bolsonaro diz que China liberou insumos para produção da Coronavac no Brasil

Bolsonaro diz que China liberou insumos para produção da Coronavac no Brasil

Por Alagoas Brasil Noticias

*Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira (25) que o governo foi informado por autoridades chinesas de que insumos para a fabricação da Coronavac devem chegar ao Brasil nos “próximos dias”.

“A Embaixada da China nos informou, pela manhã, que a exportação dos 5,4 mil litros de insumos para a vacina Coronavac foi aprovada e já estão em área aeroportuária para pronto envio ao Brasil, chegando nos próximos dias”, escreveu o presidente no Facebook.

“Assim também os insumos da vacina AstraZeneca que estão com liberação sendo acelerada. Agradeço a sensibilidade do Governo chinês, bem como o empenho dos ministros Ernesto Araújo [Relações Exteriores], Eduardo Pazuello [Saúde] e Tereza Cristina [Agricultura]”.

Em um vídeo publicado no perfil do ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania), Pazuello diz que os insumos para a Coronavac devem chegar ao Brasil até o final da semana.

“A previsão de chegada dos insumos no Brasil é até o final desta semana, garantindo com isso a continuidade da fabricação e distribuição da vacina”, afirma o titular da Saúde, que está em Manaus para mostrar reação do governo diante da crise de falta de oxigênio para tratamento da Covid-19 nos hospitais da cidade.

A Coronavac é desenvolvida por uma farmacêutica chinesa e no Brasil é produzida pelo Instituto Butantan, vinculado ao governo de São Paulo.

O imunizante está no centro da chamada “guerra da vacina” entre o governador do estado, João Doria (PSDB), e Bolsonaro. Ao longo do ano passado, o presidente atacou a Coronavac em mais de uma ocasião, disse que ela não transmitia confiança e garantiu que o governo não a compraria.

Mas a pressão de governadores e as críticas de falta de planejamento da campanha brasileira de imunização levaram o Ministério da Saúde a anunciar a compra de 100 milhões de doses da vacina.

Bolsonaro vinha apostando na vacina desenvolvida pela universidade de Oxford em parceria com a empresa AstraZeneca, que no Brasil será produzida pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Após uma tentativa do governo de importar 2 milhões de doses da Oxford/AstraZeneca ter atrasado, a imunização no país começou no domingo (17) em São Paulo, numa ação capitalizada por Doria e sentida como derrota política pelo Palácio do Planalto.

Tanto a Coronavac quanto a Oxford/AstraZeneca estão com seus cronogramas ameaçados por dificuldades de acessar matérias primas fabricadas na China.

Nos últimos dias, Doria e ministros do governo fizeram apelos a autoridades chinesas para que os IFAs (Ingrediente Farmacêutico Ativo) que estavam retidos no país asiático fossem liberados.

O histórico de ofensas à China de aliados do presidente brasileiro -entre eles seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub- foram apontados como obstáculos para a luz verde de Pequim. Além disso, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, tem péssima interlocução com a missão diplomática chinesa em Brasília, outro empecilho para as negociações.

Diante do risco de atraso no cronograma de produção do Butantan, o governo mobilizou ministros que têm boas relações com a China para tentar agilizar os trâmites exigidos por Pequim.

O argumento das autoridades brasileiras é que os problemas para a liberação dos insumos eram técnicos e que não havia qualquer componente político na demora registrada.

Em paralelo, Doria também iniciou gestões com a embaixada chinesa, tendo pedido ao ex-presidente Michel Temer que conversasse com a missão diplomática em Brasília.

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, comentou o anúncio feito por Bolsonaro nas redes sociais.

“A China está junto com o Brasil na luta contra a pandemia e continuará a ajudar o Brasil neste combate dentro do seu alcance. A união e a solidariedade são os caminhos corretos para vencer a pandemia”, escreveu o diplomata.

Fonte: TNH1

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário