Home NotíciasSaúde Adaptar vacina para novas variantes deve levar dois meses

Adaptar vacina para novas variantes deve levar dois meses

Por Alagoas Brasil Noticias
Adaptar vacina para novas variantes deve levar dois meses, dizem especialistas

Foto: Sarah Meyssonnier / Reuters | Fabiana Cambricoli | 21:18 

Caso as vacinas CoronaVac e Oxford tenham sua eficácia reduzida contra as novas variantes do coronavírus em circulação, o processo de adaptação dos imunizantes a essas cepas deverá durar cerca de dois meses, segundo relataram ao Estadão cientistas envolvidos nas pesquisas.

Tanto a Universidade de Oxford – em parceria com pesquisadores brasileiros – quanto o Instituto Butantan e a Biotech Sinovac, responsáveis pelo desenvolvimento e produção da CoronaVac, já estão realizando testes para verificar se as linhagens emergentes afetam o desempenho dos dois imunizantes, os únicos até agora aprovados para uso no Brasil.

Os estudos são feitos em duas frentes principais. Na primeira, é realizado o sequenciamento genético do vírus presente em amostras de pacientes infectados pelo coronavírus e que foram vacinados. O objetivo é checar se há maior número de casos da doença entre infectados pelas novas variantes.

Na segunda frente, são feitos testes que colocam o soro de pacientes imunizados em contato com as novas cepas para ver se os anticorpos presentes no soro são capazes de neutralizar o patógeno.

A maior preocupação está sobre a cepa P.1, originada no Amazonas. Estudos indicam que ela já é predominante em Manaus e está presente em pelo menos outros dez Estados brasileiros. Ao lado da cepa brasileira, as variantes britânica (B.1.1.7) e sul-africana (B.1.351)também são classificadas como preocupantes pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por conterem mutações que as tornam potencialmente mais transmissíveis e capazes de escapar dos anticorpos.

De acordo com Sue Ann Costa Clemens, coordenadora dos centros de pesquisa da vacina de Oxford no Brasil, amostras da cepa P.1 coletadas de pacientes de Manaus foram enviadas há duas semanas para a Universidade de Oxford para que os testes sejam feitos.

Fonte: Terra 

Facebook Comments

você pode gostar

Deixe um Comentário