Anadia/AL

16 de outubro de 2021

Anadia/AL, 16 de outubro de 2021

Bolsonaro: Em breve, poderemos ter invasões e fogo em ônibus

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 11 de março de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
XX1
 
Bolsonaro: Em breve, poderemos ter invasões e fogo em ônibus

Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo |  Daniel Weterman e Lorenna Rodrigues | 17:40  

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender, nesta quinta-feira, 11, a vacinação da população para conter o avanço da covid-19 no Brasil, mas criticou as medidas de isolamento social. Durante participação virtual em reunião da Frente Parlamentar Mista das Micro e Pequenas Empresas, Bolsonaro citou a possibilidade de invasões e greves em função do lockdown.
 
Bolsonaro criticou diretamente as medidas adotadas pelos governadores de São Paulo, João Doria, e do Distrito Federal, Ibaneis Rocha. Doria anunciou nesta quinta-feira, 11, novas restrições, inclusive toque de recolher no Estado, medida também aplicada no Distrito Federal. Bolsonaro comparou o isolamento a um “sapo fervido”, ou seja, depois de aumentada a temperatura, “não sai mais da panela”.
 
“Até quando? Até quando nossa economia vai resistir? Se colapsar, vai ser uma desgraça. O que poderemos ter brevemente? Invasão a supermercado, fogo em ônibus, greves, piquetes, paralisações. Onde vamos chegar? Será tarde para o sapo sair da panela”, disse Bolsonaro. No discurso do presidente da República, enquanto o governo federal combate o desemprego, prefeitos e governadores estão “destruindo” a economia.
 
Nas últimas duas semanas, o Brasil viu a média diária de óbitos saltar 43%. Em 25 de fevereiro, o número estava em 1.150. Agora está em 1.645, o maior da pandemia. Na quarta-feira, 10, o Brasil registrou 2.349 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com dados do consórcio formado por veículos de imprensa.
 
“Lamento todas as mortes que ocorrem, todas as mortes. Lamento essa desgraça que se abateu sobre o mundo, mas nós temos que olhar para frente, buscar minimizar a dor dessas pessoas, buscar minimizá-la com vacina. Toma vacina. Abrimos para comprar praticamente de todos os laboratórios depois de aprovado pela Anvisa.” O presidente afirmou que nunca negou a vacina. Em dezembro, porém, ele afirmou que não tomaria o imunizante.
 
Fonte : Terra 
 
 
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter