Anadia/AL

26 de outubro de 2021

Anadia/AL, 26 de outubro de 2021

Como funciona a máquina de US$ 28 bilhões da família real britânica

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 11 de março de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
forbesmoney-RoyalFamily-10mar2021-reproducao-1536x1024

Por Ariel Shapiro e Deniz Çam – Rainha Elizabeth se pronunciou anteontem (09) sobre a entrevista de Harry e Meghan concedida à Oprah Winfrey

Depois da entrevista devastadora do Príncipe Harry e Meghan Markle com Oprah Winfrey que foi ao ar no domingo (7), a família real britânica – ou “The Firm” como é conhecida – está em terreno instável. Os membros mais antigos da Casa de Windsor deveriam ter previsto as consequências desestabilizadoras chegando. “Não sei como eles poderiam esperar que depois de todo esse tempo, ainda ficaríamos em silêncio se houvesse um papel ativo dos membros da realeza em perpetuar falsidades sobre nós”, disse Meghan à Oprah.

O apelido ameaçador remonta há mais de 80 anos, momento em que se seguiu o episódio mais divisório da história real moderna com a abdicação de Eduardo VIII, em 1936. O nome foi atribuído ao pai da rainha Elizabeth II, o rei George VI, que sucedeu seu irmão mais velho, e ao marido da rainha, o príncipe Philip. O apelido sombriamente preciso para os membros mais velhos da família permaneceu. A realeza, também conhecida como “Monarchy plc”, é a face pública de um império de US$ 28 bilhões que injeta centenas de milhões de libras na economia do Reino Unido todos os anos. Os luxuosos casamentos televisionados (o casamento real de Harry e Meghan gerou cerca de US$ 1,5 bilhão), passeios agitados pelos países da Comunidade Britânica e as exibições públicas geram enorme interesse e lucros para uma empresa global de negócios que abrange imóveis no centro de Londres a fazendas remotas na Escócia.

Reprodução/Forbes

Reprodução/Forbes

Longe da família real, Príncipe Harry e Meghan Markle podem ter uma situação financeira melhor

A saga da família real também rendeu muito à mídia britânica. Na entrevista concedida à Oprah, Meghan falou do “contrato invisível” com os tabloides, descrevendo uma relação que é ao mesmo tempo simbiótica, bajuladora e sinistra. Também tem sido ótimo para vendas em bancas de jornal e avaliações de TV. Três anos atrás, a Brand Finance, uma empresa de avaliação de marcas sediada no Reino Unido, estimou as contribuições da família para a indústria de mídia em quase US$ 70 milhões. Esse número parece pequeno depois que a entrevista de Harry e Meghan foi transmitida em mais de 60 países. Até o príncipe reconheceu que assistiu à aclamada série da Netflix, “The Crown”.

“Esses esforços para agilizar são claramente uma tentativa de contrariar a opinião pública preocupada com o subsídio soberano indo para muitas pessoas e com a existência de fundos muito ricos para membros da realeza menores”, afirma Carolyn.

O organograma da família real é um testemunho da empresa familiar de mil anos e a percepção pública que a sustenta é vital para esse sucesso. “É um negócio de influenciadores muito formalizado”, explica David Haigh, executivo-chefe da Brand Finance. Ao contrário de uma família de celebridades como os Kardashians, os Windsors não lucram pessoalmente com o negócio em si, embora contribuam com cerca de US$ 2,7 bilhões todos os anos para a economia britânica no pré-pandemia. O impacto que a família real tem na economia do Reino Unido é principalmente por meio do turismo, mas Haigh observa que há outros benefícios financeiros, como cobertura gratuita da mídia no país, que foi estimada em US$ 400 milhões em 2017. Existem também muitas garantias reais valiosas concedidas pela monarquia, que são essencialmente um selo de aprovação de produtos de consumo sofisticados, como jaquetas Barbour e uísque Johnnie Walker. Haigh estima que um mandado real pode aumentar a receita do detentor em até 10%. Segundo ele, as vantagens econômicas para empresas e instituições na órbita da família real excedem em muito o custo de US$ 550 milhões associado às enormes despesas operacionais da família.

Mas nem todo mundo quer fazer parte da máquina da monarquia. As enormes pressões que vêm com o trabalho expulsaram membros da família, incluindo a princesa Diana e agora Harry e Meghan. Nem sempre termina bem para aqueles que deixam suas obrigações, mas apoiados por poderosas celebridades nos Estados Unidos e vários negócios em Hollywood, Harry e Meghan podem se encontrar muito melhor financeiramente e emocionalmente do que aqueles que, nas palavras de Príncipe Harry, permanecem “presos”.

Elizabeth

Desde que ela herdou o trono de seu pai em 1952, a Rainha Elizabeth presidiu a família, mesmo que ela não tenha a palavra final sobre como o negócio é administrado. O Príncipe Philip, o patriarca de 99 anos da família Windsor, já foi um membro poderoso da realeza, mas formalmente se afastou de seus deveres oficiais. Além de perder o Príncipe Harry, a realeza demitiu outro membro sênior no ano passado, quando o relacionamento próximo do Príncipe Andrew com o financista pedófilo Jeffrey Epstein foi exposto.

Além da grande família, a Casa de Windsor tem milhares de funcionários em todo o mundo. O Palácio de Buckingham emprega cerca de 1.200 pessoas. Segundo uma lista de empregos recente de um portal oficial do palácio, um especialista em TI de nível básico pode ganhar mais de US$ 40 mil. O Crown Estate, a instituição que supervisiona os ativos da monarquia, também emprega 450 pessoas adicionais, incluindo um conselho de administração que toma as decisões financeiras pela monarquia.

Ser membro da família real também traz grandes expectativas de manter a máquina de fazer dinheiro funcionando por muitas gerações. A coroa detém, mas não pode vender, quase US$ 28 bilhões em ativos através do Crown Estate (US$ 19,5 bilhões), do Palácio de Buckingham (US$ 4,9 bilhões), do Ducado da Cornualha (US$ 1,3 bilhão), do Ducado de Lancaster (US$ 748 milhões), do Kensington Palace (US$ 630 milhões) e do Crown Estate Scotland (US$ 592 milhões). A Forbes também estima que a Rainha Elizabeth tenha outros US$ 500 milhões em bens pessoais.

Conheça a família real: quem realmente manda

Reprodução/ForbesNo ano fiscal encerrado em 31 de março de 2020, o Crown Estate arrecadou mais de US$ 700 milhões e mais de US$ 475 milhões em lucros. A família real recebe 25% da renda do Crown Estate, também conhecida como Sovereign Grant, e os 75% restantes vão para o Tesouro Britânico. A última doação soberana recebida pela realeza foi de cerca de US$ 120 milhões, que a família usa exclusivamente para despesas oficiais, que incluem folha de pagamento, segurança, viagens, limpeza, custos de manutenção e despesas de TI. As despesas privadas da rainha e de sua família também são sustentadas por outra parcela do Ducado de Lancaster, chamada Bolsa Privada. No último ano fiscal, este ducado relatou um lucro líquido de US$ 30 milhões.

Como acontece com qualquer negócio, a pandemia afetou a receita real. Em setembro, o Keeper of the Privy Purse reconheceu que o balanço real enfrentava um déficit potencial de US$ 45 milhões, principalmente devido à grande queda no turismo e visitas a marcos reais no Reino Unido por causa de bloqueios. Mas segundo ele, a realeza não estaria pedindo financiamento extra do Tesouro. Os US$ 500 milhões da rainha em bens pessoais vêm de seus investimentos, arte, joias e imóveis que incluem os castelos Sandringham House e Balmoral Castle. A maior parte disso passará para o Príncipe Charles quando ele finalmente ascender ao trono. E como sua mãe, ele não possuirá diretamente a maior parte dos US$ 28 bilhões que incluem a riqueza pessoal da Rainha, os ativos sob a Crown Estate, suas participações na Escócia, o Ducado de Lancaster, o Ducado da Cornualha e os palácios de Buckingham e Kensington.

Charles

Agora com 72 anos, o Príncipe Charles tem a segunda maior operação dentro da família real. Como Duque da Cornualha, Charles obtém uma renda do Ducado, além do que já recebe do Subsídio Soberano. O Ducado foi fundado no século 14 por Edward III para manter seu filho primogênito ocupado enquanto aguardava sua vez de chegar ao trono. Atualmente, o ducado tem uma equipe de 150 pessoas administrando um portfólio de mais de 526 quilômetros quadrados de propriedades em todo o sudoeste da Inglaterra no valor de quase US$ 1,3 bilhão.

Assim como acontece com o Crown Estate, o Príncipe Charles não pode vender os ativos pertencentes ao Ducado, mas pode ganhar dinheiro com eles. Ao alugar propriedades para varejistas, fazendeiros e residentes, o Ducado gerou mais de US$ 50 milhões em receitas no ano passado, US$ 30 milhões dos quais foram para o Príncipe de Gales e seus descendentes para apoiar suas respectivas equipes e operações. Mesmo sem a coroa, o Ducado da Cornualha é muito mais lucrativo para Charles do que o Subsídio Soberano, que pagou a ele menos de US$ 2,5 milhões no ano passado. Desse valor, US$ 7,3 milhões financiaram 132 funcionários pessoais do príncipe, US$ 6,75 milhões foram para impostos e US$ 4,4 milhões foram dedicados a atividades de caridade, incluindo o Prince’s Trust, instituição de caridade de Charles para ajudar jovens desempregados.

Fluxo real: por dentro de uma empresa com quase US$ 28 bilhões em ativos

Reprodução/ForbesBoa parte dessa renda também é usada para sustentar os filhos de Charles. O Príncipe William e o Príncipe Harry receberam US$ 7,8 milhões no ano passado para apoiar suas próprias operações, mas, como Harry sugeriu na entrevista à Oprah, essas atividades não fazem mais parte de suas obrigações. Na mesma entrevista, Meghan também sugeriu que parte do que alimentou a partida do casal foi a intenção da família de negar a seu filho, Archie, o título de príncipe e o apoio financeiro de ser um membro real ativo. Segundo a historiadora Carolyn, essa é uma demonstração de Charles em limitar o número de membros mais velhos e consolidar os recursos da família. Mesmo que a decisão de excluir Archie fosse estritamente profissional, Carolyn observa que “a ótica disso não é boa, pois isso poderia ser interpretado como a exclusão de um membro mestiço da família real.”

“A pior acusação possível no discurso para Oprah foi que a família real é racista”, disse Haigh da Brand Finance. “Isso prejudicaria o efeito econômico da realeza.” Em sua primeira declaração após a entrevista de domingo, a rainha abordou o assunto em um esforço para mitigar a repercussão negativa na imprensa. “As questões levantadas, particularmente as de raça, são preocupantes”, disse em seu anúncio oficial. “Embora algumas lembranças possam variar, elas são levadas muito a sério e serão tratadas pela família em particular. Harry, Meghan e Archie sempre serão membros da família muito amados.”

William

O primeiro filho do Príncipe Charles e o terceiro na linha de sucessão ao trono, o Príncipe William não tem uma fonte direta de renda por meio do Ducado de seu pai. Mas ele e sua esposa, Kate, certamente têm o poder de impulsionar as vendas de marcas sem os mandados reais, que, segundo a Brand Finance, agregaram mais de US$ 165 milhões à economia do Reino Unido em 2017. O efeito Kate frequentemente aumenta as vendas das marcas que ela é vista usando ou mesmo aquelas que copiam seu estilo. Em 2015, a G.H. Hurt & Sons, que fez o xale de bebê da Princesa Charlotte, registrou 100 mil visitas depois que as fotos da recém-nascida apareceram na imprensa britânica.

O Duque e a Duquesa de Cambridge, entretanto, não recebem nenhum dinheiro de sua influência. Aos 38 anos, William recebe uma renda anual do Ducado da Cornualha para cobrir as despesas privadas de sua família. No ano fiscal encerrado em março de 2020, o príncipe recebeu uma parte de quase US$ 8 milhões, que ele teve que dividir com o Príncipe Harry e Meghan Markle antes que eles anunciassem que estavam se afastando de seus deveres reais. No entanto, o Duque de Cambridge e Harry não dependem totalmente da renda do Ducado. Parte dos bens de sua falecida mãe, a Princesa Diana, foi destinada aos príncipes quando eles completaram 25 anos. Graças ao que ele herdou de Diana, cerca de US$ 10 milhões segundo a Forbes, Harry e sua família puderam se estabelecer na Califórnia, disse o príncipe à Oprah na entrevista, depois que sua família “literalmente o cortou financeiramente.”

Deixando os negócios

Ser cortado da família real britânica raramente significa uma sentença de morte financeira. Estabelecidos em uma mansão de US$ 14,7 milhões em Santa Bárbara, na Califórnia, Harry e Meghan têm vários bons negócios para sustentá-los pelas próximas décadas. A receita será necessária para financiar os serviços de segurança 24 horas por dia, que podem custar até US$ 4 milhões por ano.

Eles também têm vários fluxos de receita. Em dezembro, o casal lançou seu primeiro podcast com o Spotify, chamado “Archewell Audio”. No mesmo mês, assinaram um acordo de podcasting de três anos com a gigante da música que pode valer de US$ 15 milhões a US$ 18 milhões, segundo relatório da Forbes publicado em fevereiro. Há também uma série sobre saúde mental na Apple TV+, da qual Harry e Oprah serão produtores executivos. A quantia do contrato não foi revelada. O casal também assinou em setembro um acordo avaliado em US$ 100 milhões com a Netflix. Espera-se que eles produzam documentários, longas-metragens, programas com roteiro e programação infantil para o serviço de streaming. Com esses planos, a perspectiva é que eles arrecadem quase quatro vezes o valor que receberam do Ducado da Cornualha.

Escolher Oprah para conduzir a primeira entrevista após a saída da família real foi tão bom para seus empreendimentos futuros quanto para a televisão. Quando Meghan se abriu sobre suas lutas com pensamentos suicidas durante sua estadia no Frogmore Cottage e o fato de não ter acesso ao suporte de saúde mental necessário, Oprah mencionou sua parceria com Harry. “Ninguém deveria ter que passar por isso”, disse ela instantaneamente. “Você sabe que Harry e eu estamos trabalhando nesta série de saúde mental para a Apple, então ouvimos muitas dessas histórias.”

Livre das restrições da “The Firm”, Harry e Meghan provavelmente não terão problemas financeiros como seu tio-avô, o Rei Edward VIII, quando ele abdicou a coroa para se casar com a norte-americana divorciada, Wallis Simpson, na década de 1930. Para Haigh, se eles investirem além de seus negócios com a Netflix e o Spotify e se aprofundarem nos negócios de joias e roupas, “Harry e Meghan podem se tornar uma marca de US$ 1 bilhão.”

Fonte: Forbes

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter