Anadia/AL

26 de outubro de 2021

Anadia/AL, 26 de outubro de 2021

Marco Aurélio manda ação contra trechos da Lei de Improbidade direto ao plenário

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 16 de março de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
xx11

Marco Aurélio leva para plenário do STF análise sobre trechos da Lei de Improbidade

Crédito: Nelson Jr./SCO/STF |  Rayssa Motta | 16:33

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu levar para julgamento no plenário a ação apresentada pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) contra trechos da Lei de Improbidade Administrativa que preveem a perda de direitos políticos dos agentes públicos.

No lugar de decidir sozinho, em caráter liminar, o decano preferiu pautar a análise direto no colegiado para uma tomada de decisão conjunta e definitiva com os pares. O caso foi enviado ao gabinete do ministro por prevenção: ele já havia cuidado da relatoria de uma ação contra a mesma lei, julgada pelo tribunal em 2010. Na ocasião, os ministros analisaram os trâmites para aprovação do dispositivo no Congresso Nacional e consideraram o rito constitucional.

Agora, o PSB questiona a ‘amplitude’ com que a perda dos direitos políticos é tratada na legislação em questão. Pelo texto, a penalidade pode ser aplicada para todo ato de improbidade administrativa, com variações apenas dos prazos de suspensão.

Na avaliação do partido, a previsão abre caminho para uma ‘aplicação desproporcional e desarrazoada da sanção’. “Se o texto constitucional, em clara diferenciação aos ilícitos penais, determinou que a lei graduasse a penalidade de suspensão dos direitos políticos, essa gradação deve necessariamente levar em conta a própria aplicação da penalidade em si, e não apenas o seu prazo”, argumenta a sigla.

Ao adotar o rito abreviado para o julgamento da ação, Marco Aurélio pediu manifestação da Advocacia-Geral da União (AGU) e parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A Lei da Improbidade (8429/92) entrou em vigor há 28 anos na esteira do impeachment do ex-presidente Fernando Collor. O texto foi pensado para punir desvios na administração pública e, constantemente, é fustigado por projetos de parlamentares que se sentem incomodados ou acuados por suas regras contra gestores públicos sob suspeita.

Além da discussão aberta agora pela ação do PSB no Supremo, a Câmara debate formalmente, há quase três anos, a atualização do dispositivo. Em 2018, um grupo de juristas coordenado pelo ministro Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), elaborou o Projeto de Lei 10887/2018, que foi apresentado aos parlamentares pelo deputado Roberto de Lucena (Podemos-SP). Na sequência, uma comissão especial foi formada, sob relatoria de Carlos Zarattini (PT) e presidida por Tadeu Alencar (PSB-PE), para analisar o texto e entregou um substitutivo que pode gerar mais despesas aos Ministérios Públicos e inibir ações.

Fonte: Terra 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter