Anadia/AL

26 de outubro de 2021

Anadia/AL, 26 de outubro de 2021

Nova formação das comissões da Câmara abre espaço para várias ‘boiadas’ passarem

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 20 de março de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
cam20

Casa tem 25 comissões permanentes, cujos debates às vezes passam despercebidos

A Câmara dos Deputados definiu, nos últimos dias, a nova formação de suas 25 comissões técnicas permanentes. E a composição final é no mínimo desafiadora para a oposição e movimentos sociais, porque poucas ficaram com segmentos progressistas – ou, ao menos, moderados. As mais importantes estão nas mãos de parlamentares ligados ao bolsonarismo, o que abre espaço para muitas “boiadas” passarem, para usar expressão do ministro do Meio Ambiente, no sentido de redução de direitos e desregulamentação acelerada.

Um exemplo é a própria Comissão do Meio Ambiente da Câmara, que ficou com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), bolsonarista-raiz. E aliada do ministro Ricardo Salles, observa o analista político Antônio Augusto de Queiroz, diretor licenciado do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Ele faz uma síntese desanimadora sobre a nova formação das comissões (confira quadro abaixo). “Nunca vi uma composição tão à direita como agora”, constata. O risco é de o que ele chama de “ideário truculento” prevalecer.

Pauta retrógrada

Ele acredita que poucas comissões terão presidentes próximos, ou quase, dos movimentos sociais. Lista sete, o que não chega a um terço do total. Assim, muita matéria “retrógada” pode ser desarquivada, diz o analista. “A pandemia, a deliberação remota e a proximidade do ano eleitoral podem dar uma refreada (no ímpeto conservador), mas a oposição tem de ficar muito atenta.” Sem funcionar durante 2020, as comissões agora terão reuniões híbridas, com participação virtual e presencial.

Nem sempre devidamente acompanhadas, as comissões permanentes são um importante espaço de debate de projetos. Também deliberam sobre emendas orçamentárias. Que agora, diz Queiroz, “tendem a ser canalizadas para projetos que não têm sintonia com a população”. Outro fator preocupante é que as discussões tendem a ser ainda mais ideologizadas, prejudicando o debate. O analista observa que, apesar as comissões serem órgãos técnicos, os presidentes, “completamente engajados, vão indicar relatores que não valorizam muito esse processo”.

Serena e democrática

E a escolha que causou mais barulho foi, previsivelmente, a da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), a mais importante da Casa. No último dia 10, Bia Kicis (PSL-DF) foi eleita com 41 votos, além de 19 em branco. Candidata única, depois que o nome de Fernanda Melchionna (Psol-RS) foi indeferido, ela será a primeira mulher a comandar a CCJ. Vitoriosa, prometeu ser uma presidenta “serena, democrática e inclusiva”.

Primeira reunião da CCJ já teve confusão (Reprodução TV Câmara)

Não é o que indica o currículo da parlamentar, integrante da tropa de choque bolsonarista. Ela também é investigada pelo Supremo Tribunal Federal por suposto apoio a atos antidemocráticos. O que, evidentemente, negou, no dia de sua eleição à CCJ. “Nunca, jamais em minha vida, cometi qualquer ato contra alguma instituição brasileira ou qualquer antidemocrático até porque isso seria totalmente incompatível com meu histórico”, declarou.

Para Queiroz, a repercussão talvez atenue seu comportamento, mas não muito. “Acho que ela vai ser menos agressiva, mas vai jogar pesado”, avalia.

Fonte: RBA


Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter