Anadia/AL

27 de outubro de 2021

Anadia/AL, 27 de outubro de 2021

Presidente da Palmares pede boicote a novo filme de Lázaro Ramos

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 21 de março de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
xx1

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo | Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress | Gilvan Marques | 12:14

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, fez duras críticas e pediu boicote ao filme “Medida Provisória”, que conta com a direção de Lázaro Ramos. Segundo ele, o longa “é bancado com recursos públicos” e acusa o governo Bolsonaro de praticar “crimes de racismo”.

“O filme, bancado com recursos públicos, acusa o governo Bolsonaro de crime de racismo —deportar todos os cidadãos negros para a África por Medida Provisória. Temos o dever moral de boicotá-lo nos cinemas. É pura lacração vitimista e ataque difamatório contra o nosso presidente”, protestou Camargo, em seu perfil, nas redes sociais.

Presidente da Palmares pede boicote a novo filme de Lázaro Ramos O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress Gilvan Marques Do UOL, em São Paulo 20/03/2021 17h53 O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, fez duras críticas e pediu boicote ao filme “Medida Provisória”, que conta com a direção de Lázaro Ramos. Segundo ele, o longa “é bancado com recursos públicos” e acusa o governo Bolsonaro de praticar “crimes de racismo”. “O filme, bancado com recursos públicos, acusa o governo Bolsonaro de crime de racismo —deportar todos os cidadãos negros para a África por Medida Provisória. Temos o dever moral de boicotá-lo nos cinemas.  É pura lacração vitimista e ataque difamatório contra o nosso Presidente. pic.twitter.com/1T61wIzfHc — Sérgio Camargo (@sergiodireita1) March 20, 2021.

“Medida Provisória” é uma adaptação da tragicomédia “Namíbia, Não!”, que Lázaro Ramos já tinha dirigido no teatro.

A trama se passa num Brasil do futuro em que uma iniciativa de reparação pelo passado escravocrata provoca uma reação no Congresso Nacional, que aprova uma medida provisória. Sua aprovação afeta diretamente a vida do casal formado pela médica Capitú (Taís Araujo) e pelo advogado Antonio (Alfred Enoch). Separado por força das circunstâncias, o casal não sabe se conseguirá se reencontrar.

Em nota enviada ao UOL, Lázaro Ramos disse que “Medida Provisória” é um filme distópico assim como várias obras realizadas na última década, como “Handmaid’s Tale” e “Black Mirror”.

“Qualquer comentário sobre o filme é feito em cima de suposições ou desejo de polêmica, pois ninguém assistiu a obra a não ser quem esteve nos festivais onde o filme foi exibido com extremo sucesso vide as mais de 24 críticas positivas da obra”, afirmou o ator. (Veja a nota, na íntegra, abaixo).

Sobre a produção, a assessoria do filme disse à reportagem que ele foi feito com base nas regras vigentes à época da Ancine (Agência Nacional de Cinema).

“Informamos que o filme foi feito com base nas regras vigentes à época da Ancine —com base no Artigo 3A, fundo setorial e 1A, além de merchandising— como todos os filmes realizados no país”, ressaltou ao UOL.

No elenco, “Medida Provisória” tem nomes importantes como Taís Araujo, Adriana Esteves, Seu Jorge, Renata Sorrah e Alfred Enoch. O roteiro é de Lázaro Ramos e conta com os co-roteiristas Elísio Lopes Jr e Aldri Anunciação.

Em outubro, “Medida Provisória” ganhou o prêmio Indie Memphis Film Festival, na categoria de Melhor Roteiro.

Leia a nota na íntegra

Sobre o filme falar do governo atual, devo dizer que ele foi escrito em 2015 e filmado em 2019. É baseado no espetáculo teatral “Namibia não ” de Aldri anunciação, realizado em 2011 – ele começou a ser concebido já no ano seguinte, em 2012. É um filme distópico assim como várias obras realizadas na última década, a exemplo de tantos como Handmaid’s Tale e Black Mirror.

Qualquer comentário sobre o filme é feito em cima de suposições ou desejo de polêmica, pois ninguém assistiu a obra a não ser quem esteve nos festivais onde o filme foi exibido com extremo sucesso vide as mais de 24 críticas positivas da obra.

Lázaro Ramos

Fonte: Uol / Splash 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter