Queiroga substitui o ex-ministro Pazuello no pior momento da pandemia de Covid-19 no Brasil, com recordes de mortes e contaminações. O Brasil já soma mais de 295 mil mortes causadas pelo vírus.

Marcelo Queiroga é o quarto ministro da Saúde desde o começo da pandemia de Covid-19. Antes de Queiroga, comandaram o ministério o médico e ex-deputado Luiz Henrique Mandetta, o médico Nelson Teich e o general do Exército Eduardo Pazuello.  Marcelo Queiroga é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Posicionamento 

Na última terça-feira (16), um dia após a sua indicação, Queiroga afirmou que era necessária a “união da nação” para enfrentar a nova onda da pandemia. Ele também fez um pronunciamento em que defendeu o Sistema Único de Saúde (SUS)  e citou a importância das “evidências científicas” em futuras ações da pasta.

Em discurso alinhado com o do presidente Jair Bolsonaro, Queiroga se mostrou preocupado com o impacto da doença na economia. “É preciso unir esforços do enfrentamento da pandemia com a preservação da atividade econômica”, disse.

Fonte: IG / Último Segundo