Home » Comandante do Exército tenta distanciar imagem das Forças Armadas de Pazuello

Comandante do Exército tenta distanciar imagem das Forças Armadas de Pazuello

Por Alagoas Brasil Noticias

Comandante do Exército, general Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, senador Omar Aziz (PSD-AM) e o ex-ministro Eduardo Pazuello (Foto: Divulgação). Publicado às 16:46
O Exército vem trabalhando nos últimos dias para impedir que o depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello na CPI da Covid, marcado para o dia 19, prejudique a imagem da Força. O comandante do Exército, general Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, e o senador Omar Aziz (PSD-AM), conversaram sobre o assunto, na noite dessa segunda-feira (3). Pazuello recebeu nos últimos dias recomendações para não associar a sua atuação no ministério aos papéis que desempenhou no Exército, de acordo com informação publicada pela coluna de Malu Gaspar, no jornal O Globo.  

Membros da instituição militar ficaram preocupados com os treinamentos de Pazuello para falar na CPI, pois assessores do Planalto afirmaram que o general “está muito nervoso”. Pazuello teve um media training de seis horas e foi simulado um confronto com parlamentares. 

Temia-se que Pazuello pudesse comparecer de farda à CPI – o que foi desencorajado nas mensagens enviadas ao ex-ministro.

Na conversa com Nogueira de Oliveira, Aziz garantiu que a CPI ouviria Pazuello como ministro e não como general ou militar – a pessoa física e não a pessoa jurídica, como o senador disse na conversa, segundo fontes próximas a Aziz.  

O presidente da CPI e o comandante do Exército se conhecem há muitos anos. Aziz governou o Amazonas quando o general comandava a 12ª Região Militar, com sede em Manaus. O general Paulo Sérgio passou dez anos na Amazônia em diferentes funções. 

A CPI ouve nesta quarta-feira (5) o ex-ministro da Saúde Nelson Teich. A ideia é questionar o ex-titular da pasta se o governo Jair Bolsonaro pressionou o ministério a recomendação cloroquina e hidroxicloroquina como prevenção para a Covid-19 – os remédios não têm comprovação científica contra a doença. 

Fonte: Brasil 247



Facebook Comments

você pode gostar