Home » Museu recebe a Turma do Guerreirinho, criada pelo Tatipirun Atelier da Ufal

Museu recebe a Turma do Guerreirinho, criada pelo Tatipirun Atelier da Ufal

Por Alagoas Brasil Noticias

Por –  Personagens vão contribuir com a comunicação voltada ao público infantil 15:16

Imagine personagens infantis que exaltam a cultura popular, os folguedos, os mestres, a literatura local, entre outras manifestações que representam Alagoas. Com essa ideia, em 2014, o Tatipirun Atelier de Educação Patrimonial, do grupo de pesquisa Representações do Lugar (Relu), que faz parte da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Ufal, criou a Turma do Guerreirinho, composta por personagens alegres e multicoloridos, cujo objetivo é promover ações de educação voltadas ao público infantil. Agora, esses personagens fazem parte do projeto Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore: a casa da Turma do Guerreirinho, numa parceria entre o Relu e o Museu.

O diretor do Museu Théo Brandão, Victor Sarmento, explica que a chegada da turma ao Museu contribuirá com o setor Educativo e de Comunicação, especialmente no que diz respeito ao público infantil. “Será uma forma de levar as informações de um modo mais eficaz e transmitir conhecimentos. Serão as mascotes do Museu. Inicialmente, os personagens serão apresentados e, a cada semana, haverá uma novidade, uma informação diferente nas redes sociais. Teremos uma primeira fase que será para conhecer as salas do MTB. Em seguida, a Turma do Guerreirinho nos ajudará a contar a história”, disse Victor.

São 24 personagens representativos da cultura alagoana. Entre eles, estão Guerreirinho, Diana, Théo, Armandinho e Nise. A ideia surgiu quando os pesquisadores perceberam a necessidade de realizar uma produção direcionada ao público infantil. Inicialmente, haviam criado o Portal de Arquitetura Alagoana, com projetos e modelos tridimensionais e desenhos das edificações de Alagoas para serem coloridos, podendo baixar os arquivos gratuitamente.

Esse trabalho de educação patrimonial foi ampliado com a Turma do Guerreirinho. “Concluímos que para nos direcionarmos para o público infantil, precisaríamos de mascotes, ou seja, personagens que falassem diretamente com as crianças e, então, foram criados, em princípio, apenas três personagens: o Guerreirinho, a Dandara e a Diana. Daí em diante, passei a me dedicar à criação de material para educação patrimonial e a pesquisar cada vez mais sobre a linguagem e a estética, muito influenciada pela minha própria experiência com meus filhos e por não encontrar material disponível para comprar”, contou Adriana Capretz, arquiteta, professora da Ufal e coordenadora do Tatipirun Atelier.

A professora explica que o projeto começou a ter um público maior na Bienal Internacional do Livro de 2019, quando, durante nove dias, aconteceram oficinas de artes para crianças. “O sucesso foi imenso. Recebemos centenas de crianças e adolescentes acompanhados de professores, pais e mães, utilizando e pedindo mais materiais. Foram livros para colorir, jogo da memória, caligrafia criativa, oficina de chapéus de guerreiro e bonecos de papel”, lembrou.

Nessa época da Bienal, os personagens da Turma do Guerreirinho foram ampliados. “Criamos materiais para aquela ocasião e outros que já havíamos feito para o Portal, mas que foram redesenhados pelos ilustradores do Relu para ficarem com a linguagem mais adequada ao público infantojuvenil. Nossa proposta só foi possível graças ao engajamento e a participação direta de todos os bolsistas e colaboradores do Relu e dos alunos da disciplina de Atividades Curriculares de Extensão, do curso de Design Ufal”, disse Capretz.

Fonte /Tribuna Hoje

Facebook Comments

você pode gostar