Anadia/AL

26 de julho de 2021

Anadia/AL, 26 de julho de 2021

Manifestações nos EUA lembram um ano da morte de George Floyd

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 24 de maio de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
cats nh

Por Cleide Klock – AFP – KEREM YUCEL – 
As manifestações em homenagem a George Floyd começaram no domingo (23) em várias cidades americanas e há muitos eventos agendados até terça-feira, quando se completa um ano da morte de Floyd. Familiares de outras vítimas da violência policial também estão participando das celebrações, que incluem discursos de ativistas e políticos, painéis virtuais, marchas pelas principais cidades do país e vigília na terça-feira. 

Amanhã a família de George Floyd vai à Casa Branca para se reunir com o presidente americano, Joe Biden. O líder democrata se encontrou pela primeira vez com parentes do afroamericano em junho de 2020, quando viajou a Houston para oferecer condolências antes do funeral de Floyd. 

Biden também conversou com membros da família em algumas outras ocasiões. oo mês passado, ele falou com com o irmão de Floyd, depois que o júri condenou o ex-policial de Minneapolis Derek Chauvin pelo assassinato

Reforma da polícia

O presidente americano tinha o objetivo de adotar um projeto bipartidário de reforma da polícia até este 25 de maio. Os legisladores provavelmente perderão o prazo inicial determinado por Biden. Na sexta-feira (21), a secretária de imprensa Jen Psaki disse que a Casa Branca “confia nas negociações”, mas não falou em data, dizendo apenas que gostaria que fosse resolvido “o mais rápido possível”. 

O projeto tem o objetivo de criar um registro nacional de má conduta policial, proibir a determinação de perfis raciais e religiosos pelas autoridades policiais e revisar a imunidade qualificada. As negociações entre republicanos e democratas na Câmara e no Senado estão em andamento. Mas não há previsão de votação até junho. 

Consequências da morte de Floyd 

O assassinato de Floyd despertou um forte movimento em prol da igualdade racial e contra o racismo estrutural, não só nos Estados Unidos mas em todo o mundo. As manifestações, que duraram meses, são consideradas maiores do que o movimento pelos direitos civis da década de 1960. 

A brutal morte do afroamericano também teve consequências para as eleições presidenciais de 2020. Joe Biden foi na contramão de seu rival Donald Trump, que apoiou a polícia, apresentando-se como o candidato da “lei e da ordem” e culpando os “anti-fascistas” e as “turmas” esquerdistas pela violência que assolou as ruas do país. 

Biden se comprometeu a desmantelar o “racismo sistêmico” caso viesse a ser eleito presidente e escolheu Kamala Harris, uma mulher negra, como sua vice-presidente. Após a posse, escolheu um homem negro, o general Lloyd Austin, para encabeçar o Pentágono, outra decisão histórica. 

Outro fato inédito no país ocorreu durante o julgamento do ex-policial Derek Chauvin: o júri o considerou culpado de todas as acusações. Os Estados Unidos são conhecidos por historicamente não punir policiais. 

No entanto, o debate sobre a reforma policial ainda é algo a ser resolvido. Em Minneapolis, por exemplo, 30% dos policiais renunciaram ou tentaram abandonar a profissão desde que a morte de Floyd lançou um forte holofote sobre as ações policiais. O resultado foi uma falta de pessoal que, segundo o prefeito e o chefe da polícia, complicou os esforços para responder ao aumento da violência que explodiu após o trágico incidente em Minneapolis. 

Fonte: RFI

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter