Anadia/AL

28 de julho de 2021

Anadia/AL, 28 de julho de 2021

Sob protestos da oposição, CCJ aprova reforma administrativa

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 25 de maio de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Perpétua-Almeida-plenário

“O presidente da República desmonta a Constituição de 88”, afirmou Perpétua Almeida – Foto: Richard Silva/PCdoB na Câmara). 16:07
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, por 39 votos a 26, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, a chamada reforma administrativa, enviada pelo governo Bolsonaro. O texto, agora, será analisado por uma comissão especial. Caso seja aprovado, ainda precisa ser aprovado pelo Plenário da Câmara e no Senado.

A reforma administrativa enviada pelo governo praticamente extingue a estabilidade no serviço público e cria cinco tipos de vínculos com o Estado. Segundo uma nota técnica produzida pelo consultor legislativo do Senado Vinícius Amaral, a reforma aumenta o risco de corrupção, devido a dispositivos como a retirada de restrições para a ocupação de cargos comissionados e funções por pessoas sem vínculo com a administração pública.

A CCJ analisa a constitucionalidade das matérias, enquanto a comissão especial tratará do mérito da reforma administrativa. A PEC foi aprovada nesta terça sob os protestos da oposição, que destacou a inconstitucionalidade das alterações propostas.

“Esta PEC é inconstitucional. O presidente da República desmonta a Constituição de 88 quando ele acaba praticamente com o serviço público no Brasil”, afirmou a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC). A vice-líder do PCdoB, deputada Alice Portugal (BA), disse que a proposta desmonta o Estado brasileiro. “A PEC deveria ser retirada. Relativizar a garantia que você tem de estabilidade é dizer aos jovens: “Não façam concurso” e, dentro de pouco tempo, estará tudo privatizado”, afirmou.

O líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE) disse que a reforma administrativa “arrebenta” com a questão central do serviço público, que é a estabilidade. “Essa PEC só tem um objetivo: entregar o serviço público brasileiro aos interesses privados”, destacou.
O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) observou que o governo Bolsonaro reproduz um discurso que tenta colocar a população contra o servidor público. “Todo esse discurso de que servidor não trabalha é para colocar a população contra o servidor público e destruir o Estado brasileiro. Aqui no Brasil [os servidores públicos] são 12%. Na média dos países desenvolvidos, são 20% e na Dinamarca, 35%. Professor, trabalhador da saúde, policial, assistente social ganham pouco. Os que estão no topo da pirâmide não são atingidos [pela reforma]”, declarou.

Alterações

O relator da proposta, deputado Darci de Matos (PSD-SC), apresentou parecer com três supressões ao texto. Um dos itens retirados é o que previa os novos princípios da administração pública: imparcialidade, transparência, inovação, responsabilidade, unidade, coordenação, boa governança pública e subsidiariedade.

Segundo Darci de Matos, “a inclusão de novos princípios no texto constitucional, embora seja boa a intenção, pode gerar interpretações múltiplas e completamente divergentes, o que consequentemente gerará provocações ao Supremo Tribunal Federal para dispor sobre sua efetiva aplicabilidade em situações, por exemplo, de improbidade administrativa”. Para o relator, a inclusão dos novos princípios geraria insegurança jurídica.

Outro item retirado proibia que servidores ocupantes de cargos típicos de Estado pudessem exercer qualquer outra atividade remunerada. O relator considerou esse trecho inconstitucional porque impedia o exercício de outra atividade mesmo que houvesse compatibilidade de horários.

Fonte: Portal Vermelho


Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter