Anadia/AL

26 de julho de 2021

Anadia/AL, 26 de julho de 2021

Deputada do PSL é retirada de avião pela polícia por item proibido na bagagem

Por GyanCarlo

Em 26 de maio de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vv

Deputada foi retirada de voo após recusar-se a passar por inspeção de bagagem – Foto: Reprodução/Redes Sociais | 08:30

A deputada federal Alê Silva (PSL-MG) foi retirada de um avião por agentes da Polícia Federal momentos antes da decolagem no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na manhã desta terça-feira. A informação foi divulgada pelo G1.

A parlamentar e a concessionária responsável pela administração do aeroporto apresentaram justificativas diferentes para o episódio. De acordo com a BH Airport, Alê Silva negou-se a passar pelo processo de inspeção física da bagagem, enquanto a deputada disse ter sido ofendida por uma atendente.

Ainda segundo a concessionária, um item proibido foi identificado na bagagem de mão de Alê Silva, o que fez com que os pertences fossem encaminhados para uma inspeção física.

Neste momento, porém, a deputada teria se recusado a passar pelo processo, dirigindo-se diretamente à área de embarque sem autorização. Mesmo diante dos alertas da equipe da companhia aérea responsável pelo voo, ela entrou na aeronave.

Aeroporto de Confins, onde a deputada teve um desentendimento - Foto: Divulgação/Aeroporto Internacional de Belo Horizonte
Aeroporto de Confins, onde a deputada teve um desentendimento – Foto: Divulgação/Aeroporto Internacional de Belo Horizonte

Os funcionários, então, acionaram a Polícia Federal, que foi ao local e solicitou a presença de Alê Silva. A deputada, então, precisou deixar o avião e apresentar-se aos agentes. Apenas após a retirada do item proibido da bagagem, a mulher foi liberada.

Deputada alega que foi chamada de “miliciana e genocida”

Em nota ao G1, a assessoria de Alê Silva garantiu que a parlamentar foi ofendida por um funcionário do aeroporto. De acordo com o comunicado, ao passar no detector de metais, a mulher teria ouvido: “Mala de miliciana e genocida tem que ser revistada com cuidado”.

Alê Silva alega ter se encaminhado para o setor de embarque e, após realizá-lo, ligado para seu chefe de gabinete e pedido para que ele entrasse em contato com a Polícia Federal, afirmando que não deixaria o funcionário em questão examinar sua mala sem a presença de agentes.

“Neste meio tempo, dois policiais federais adentraram na aeronave e, com muita truculência, fizeram a deputada descer do avião e levar a mala até o local de revista”, diz a nota.

Objeto seria tesoura infantil

Ainda de acordo com a justificativa de Alê Silva, o objeto causador da discórdia era uma tesoura infantil. A deputada disse desconhecer como ele foi parar em sua bagagem, uma vez que não pertence à sua filha adolescente.

“Estão sendo providenciadas as medidas cabíveis junto à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), que tem responsabilidade objetiva e solidária em relação à funcionária da empresa terceirizada”, afirma o comunicado da assessoria de Alê Silva.

Fonte: Yahoo 
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter