Nesta sexta-feira, dia 25, uma advogada foi flagrada tentando passar carregadores e chips de celulares camuflados em matérias de higiene a um reeducando preso no presídio Cyridião Durval. 

O presidente do sindicato dos Policiais Penais, Vitor Leite disse que após detectarem o ocorrido foram tomadas todas as medidas cabíveis.

O sindicalista comentou ainda que a Ordem dos Advogados do Brasil estaria acusando os policiais penais de “plantarem” os materiais ilícitos para incriminar advogados. “Vamos deixar nosso repúdio diante desse comportamento. Isso é ridículo e leviano”, declarou Vitor Leite.

Há uma semana, outro advogado foi flagrado pelo sistema de vídeo monitoramento da Casa de Custódia, onde o profissional aparece entregando um pacote de fumo para um preso.

O preso informou que as entregas aconteciam há cerca de seis meses e que o advogado já teria entregado cartões de memória, pen drives, chips e celulares. Segundo o preso o valor de cada pacote de fumo era R$200 e por cada chip de celular o valor pago era entre R$50 e R$100. Já os cartões de memória e pen drives valiam entre R$200 e R$300.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de Comunicação da Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) e a OAB e aguarda posicionamento.

Fonte:  Cada Minuto