Anadia/AL

29 de julho de 2021

Anadia/AL, 29 de julho de 2021

Universitária registra patente de própolis verde contra avanço da Covid

Por GyanCarlo

Em 25 de junho de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vv

Natália e o própolis verde | Foto: Arquivo Pessoal |  Andréa Fassina | 19:39

Uma estudante brasileira registrou uma patente farmacêutica com um composto de própolis verde para tratamento e prevenção da Covid-19.

Natália Raquel Silva de Oliveira tem 21 anos e é do curso de Farmácia do Centro de Educação e Saúde, CES – da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG,  Campos do Cuité, na Paraíba.

A descoberta dela foi fruto de um projeto de iniciação científica. Na pesquisa, a aluna de graduação fez simulações de interação entre várias substâncias presentes no própolis verde com uma proteína de replicação viral do SARS-CoV-2 e encontrou três substâncias com potencial virucida: dois sesquiterpenos e um flavonóide.

Em entrevista ao SóNotíciaBoa, o professor Rafael Trindade, um dos orientadores da Natália, explica que os compostos do própolis inibem a reprodução do vírus, impedindo que a doença avance: “os resultados são bem animadores e incentivam a continuidade da pesquisa”, disse.

Patente

Segundo o professor Rafael, a equipe realizou simulações computacionais com alvo molecular para chegar ao resultado. No entanto, ele diz ainda serão necessários testes laboratoriais.

“Pretendemos no futuro isolar estas três substâncias promissoras e testá-las para ver qual a composição mais eficiente”, diz o professor da UFGG.

Rafael conta que eles decidiram depositar a patente para assegurar proteção em território nacional.

A ideia é firmar parceria com alguma empresa farmacêutica interessada em produzir a composição.

Própolis Verde

Rafael explica que um estudo paralelo da USP – Universidade de São Paulo, evidenciou que a própolis verde como tratamento auxiliar reduziu o tempo de internação de pacientes com a COVID-19.

O própolis verde é uma resina produzida em diversas espécies de abelhas com a finalidade de proteger a colmeia de agentes infecciosos.

É um dos antibióticos naturais mais potentes e amplos.

Talento precoce

O fato de um aluna ainda na graduação desenvolver uma patente também surpreendeu os professores.

“Isso nos deixa muito orgulhosos e satisfeitos pelo fato da UFCG ser uma das universidades mais inovadoras do país. Somos 2o lugar no ranking de patentes.

Quando nos deparamos com uma aluna diferenciada como a Natália, é um dever como universidade propiciar a melhor formação possível. Publicação é bom, patente melhor ainda.

Mas a melhor coisa que produzimos para a sociedade são profissionais competentes e inclinados a fazer um mundo melhor. É o que temos de mais valoroso”, comemora o professor Rafael.

A estudante contou com a orientação dos professores do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA) da UFCG, Bruno Medeiros Roldão de Araújo, Franklin Ferreira de Farias Nóbrega, e do professor Rafael Trindade.

Também colaboraram com o estudo Henriqueta Monalisa Farias (graduada em Engenharia de Biotecnologia e Bioprocessos pelo CDSA), Rafael de Lima Medeiros (egresso do curso de Física do CES/UFCG) e o professor Nilton Ferreira Frazão (CES/UFCG). (fotos abaixo)

Equipe de Pesquisadores: (em cima) Rafael Trindade, Franklin Farias, Henriqueta Monalisa. (embaixo) Bruno Roldão, Rafael Medeiros e Nilton Frazão Fotos: Arquivo Pessoal
Equipe de Pesquisadores: (em cima) Rafael Trindade, Franklin Farias, Henriqueta Monalisa. (embaixo) Bruno Roldão, Rafael Medeiros e Nilton Frazão Fotos: Arquivo Pessoal

Fonte: Só Notícia Boa 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter