Anadia/AL

8 de dezembro de 2021

RÁDIO ABN NEWS

Anadia/AL, 8 de dezembro de 2021

Idosa de 80 anos que tomou doses de vacinas diferentes contra Covid fez teste e está imunizada, diz prefeitura

Por GyanCarlo

Em 3 de julho de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vvvv

A idosa de 80 anos que tomou duas doses da vacina contra a Covid-19 de laboratórios diferentes, em Cerquilho (SP), fez um teste de coronavírus (imunocromatografia) que indicou que ela já está imunizada contra a doença, segundo a prefeitura.

O resultado do exame saiu nesta sexta-feira (2) e aponta IgG reagente, ou seja, que a moradora possui anticorpos contra o coronavírus.

Conforme a Secretaria de Saúde de Cerquilho, a idosa está sendo acompanhada pela equipe e não será necessário aplicar uma terceira dose da vacina contra a Covid-19, conforme orientações do documento técnico da campanha de vacinação.

Segundo o Ministério da Saúde, a orientação é que a vacinação contra a Covid-19, com a CoronaVac e a AstraZeneca, ocorra em duas doses, mas do mesmo imunizante. Caso ocorra o intercâmbio de vacinas, não é recomendado a administração de doses adicionais ou o reinício do esquema vacinal.

Além disso, o lote da vacina da AstraZeneca que a idosa tomou foi citado no cruzamento de dados oficiais do governo federal que apontou que ao menos 26 mil pessoas podem ter recebido doses vencidas da vacina no país.

Apesar disso, a moradora tomou a primeira dose no dia 1º de março, ou seja, antes da data de vencimento do lote, que foi no dia 29 de março. A cidade de Cerquilho, inclusive, não foi citada entre as 22 cidades da região de Itapetininga que poderiam ter aplicado doses vencidas da AstraZeneca.

“O sentimento é de gratidão a Deus porque deu tudo certo. A gente está muito feliz porque não vai precisar tomar outra dose, e ela está bem. Graças a Deus não deu nenhum efeito da outra vacina que ela tomou”, comemora a filha da idosa, que preferiu não se identificar.

Aplicação em Cerquilho

A filha da idosa contou ao G1 que levou a mãe para tomar a segunda dose do imunizante no drive-thru do Centro de Eventos Cidade das Rosas no dia 7 de junho. Segundo a moradora, já havia três meses que a idosa tinha tomado a primeira dose da vacina de Oxford, no dia 1º de março, e por isso, as duas foram até o local para que a mãe tomasse a dose de reforço.

“Veio uma moça, viu a carteirinha da minha mãe e anotou a vacina, mas pensei que eles sabiam o que estavam fazendo. Eu só fiquei preocupada se estavam aplicando o líquido, nem passou mais nada pela minha cabeça”, conta a filha.

De acordo com a família, a idosa entrou com a filha na fila de carros e foi imunizada normalmente. No entanto, ao chegar em casa, parentes notaram que, na carteirinha de vacinação da moradora, constava que ela tinha tomado a segunda dose da CoronaVac, e não da AstraZeneca.

A família procurou a prefeitura de Cerquilho e disse que duas funcionárias da saúde foram até a casa da idosa para dar orientações. Elas confirmaram para a filha da idosa que foi aplicada a segunda dose da vacina errada na moradora de Cerquilho.

“A moça que foi na casa da minha mãe disse que pode ter acontecido o erro porque estavam dando a CoronaVac para gestante, mas como não iam ver que a minha mãe é ‘velhinha’?”, questiona.

À TV TEM, a infectologista Rosana Richtman disse que essa “mistura” de doses não deve acontecer, pois a orientação é usar a vacina do mesmo fabricante. No entanto, ela informou que a mescla dos imunizantes não faz mal.

Segundo Richtman, não existe uma pesquisa sobre usar CoronaVac e AstraZeneca, é apenas uma questão de manter o mesmo tratamento e obter os resultados de anticorpos que as vacinas prometem.

Fonte: Gazeta Web 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter