Anadia/AL

8 de dezembro de 2021

RÁDIO ABN NEWS

Anadia/AL, 8 de dezembro de 2021

Urbanitários temem demissão de 700 servidores da Casal

Por GyanCarlo

Em 10 de julho de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vvv

Ailton Cruz /Também haverá redução dos contratos das empresas terceirizadas por parte da Casal | Arnaldo Ferreira / 18:51

O Sindicato dos Urbanitários teme que com a concessão em leilão dos serviços de água esgoto da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal), entregues à empresa BRK por 35 anos, e os novos leilões de dois lotes dos serviços de água e esgoto até o final do ano, haja demissão em massa na autarquia. A presidente do sindicato, Dafne Orion, revelou que a empresa tinha 1,2 mil funcionários e hoje está com menos de 700 trabalhadores.

“A tendência é de mais redução do quadro funcional. Neste segundo semestre haverá leilões dos blocos B e C e esta é a nossa preocupação”. Segundo a sindicalista a autarquia tem uma dívida pública superior a R$ 565 milhões, “apesar de ser viável economicamente, a empresa diz não ter condições de cumprir o marco legal do saneamento básico”.

O presidente da Casal, Clécio Falcão, confirmou que até o final do ano haverá novos leilões. Porém, negou que a empresa tem pretensões de promover demissões em massa na autarquia. Com a entrada de empresas privadas para executar serviços de distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto, Clécio revela que os trabalhadores do quadro próprio serão remanejados.

Com relação à dívida pública, o presidente da Casal descreveu a evolução da situação financeira a partir de 2015, quando assumiu o comando. “Quando chegamos, o passivo da Companhia era de mais de R$ 900 milhões. Nesses últimos seis anos, devido ao esforço de gestão, à contribuição dos funcionários e às medidas que tomamos, a companhia demonstrou ser uma empresa viável, deu cinco superavit seguidos (2016 a 2020) e assim conseguimos reduzir esse passivo para cerca de R$ 565 milhões atualmente”.

Em seis anos o passivo foi reduzido praticamente à metade, comprovando que a Casal é uma companhia pública estadual viável, afirmou o presidente da autarquia.

A BRK Ambiental está em operação desde o dia 1º de julho. No leilão do ano passado, fechou o negócio de R$ 5 bilhões e ganhou a concessão para distribuir água tratada pela Casal, coletar e tratar o esgoto de 13 municípios da região metropolitana por 35 anos.

Os empregados da autarquia, deputados do grupo de oposição que inclusive defendem a privatização total da Casal e o Sindicato dos Urbanitários temem que o débito seja transferido para o principal acionista: o Estado de Alagoas; que hoje está com dívida pública superior a R$ 10 bilhões por conta dos empréstimos nacionais e internacionais, considerada como impagável. Além de negar a possibilidade de demissão em massa, Clécio foi taxativo ao afirmar que a Casal tem condições de pagar o passivo.

MARCO REFERENCIAL

O presidente da Casal, Clécio Falcão, ao falar a respeito das vantagens da concessão da distribuição de água e o serviço de esgoto mais rentável da empresa na região metropolitana para a iniciativa privada, explicou que a Lei 14.026/2020, conhecida como Novo Marco Legal do Saneamento, determina que os municípios tenham a universalização dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário até dezembro de 2033.

“O Estado de Alagoas, percebendo que a Casal não teria capacidade para fazer os investimentos suficientes, resolveu acelerar o processo de participação da iniciativa privada, tendo em vista a capacidade do setor de captar e fazer os investimentos necessários para a universalização desses serviços”.

Os consumidores e o Sindicato dos Urbanitários alertam para o possível “encarecimento” da tarifa. Clécio Falcão tranquilizou ao afirmar que “não haverá reajuste tarifário”. Admitiu, porém, que “a Casal está há dois anos sem aplicar reajuste de tarifa. O último reajuste aplicado pela companhia foi em julho de 2019. De lá para cá não houve nenhum reajuste devido à pandemia de Covid-19, a Casal tem sido solidária à população. Já a BRK só tem permissão contratual para solicitar reajuste de tarifa após decorrido um ano da assinatura do contrato, a qual ocorreu em dezembro de 2020. Assim, a BRK somente poderá solicitar reajuste tarifário a partir de dezembro de 2021”.

Mesmo com a concessão dos serviços mais rentáveis à iniciativa privada, a direção da Casal acredita que deverá continuar superavitária. A dívida de R$ 565 milhões não será repassada para a empresa privada. “A BRK não assume nada referente ao passivo da Casal, pois a companhia não foi privatizada. O que ocorreu foi uma concessão do serviço por 35 anos. A Casal terá condição de liquidar o seu passivo nos próximos anos”, garante Clécio, ao negar inclusive que o passivo seria repassado ao governo do Estado.

Clécio confirmou novo leilão de concessão de serviços para a iniciativa privada das áreas “B” e “C”, mas sem precisar a data do certame. O Bloco “B” é composto por cidades das regiões Agreste, Serrana, Bacia Leiteira e Sertão. Já o Bloco “C” é composto pelas cidades das regiões Leste, Zona da Mata e Litoral.

Daqui para frente, a Casal – na Região Metropolitana de Maceió – fica responsável por fazer a captação nos mananciais e o tratamento da água nas respectivas Estações de Tratamento (ETA’s). Essa água já tratada é disponibilizada nos reservatórios e então repassada à BRK, para que ela faça a distribuição. Nas outras 67 cidades em que atua, até que haja o leilão dos blocos, continuará atuando em todas as etapas da cadeia produtiva.

Com relação aos funcionários, Clécio Falcão revelou que com a entrada em operação da BRK, nenhum funcionário da Casal será demitido. “Todos que desenvolviam funções que foram absorvidas pela BRK foram realocados em outros setores e outras funções da própria companhia, seja na capital, seja no interior”. Mas haverá redução dos contratos das empresas terceirizadas.

Fonte: Gazeta Web 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter