Anadia/AL

4 de agosto de 2021

Anadia/AL, 4 de agosto de 2021

Contra Bolsonaro, milhões devem ir às ruas em 24 de julho

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 11 de julho de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
cats iu

Por Paulo Moreira Leite – (Foto: Midia Ninja)

As provocações golpistas de Jair Bolsonaro e do núcleo  militar que lhe dá sustentação colocam um desafio para brasileiros e brasileiras — preservar o regime democrático e garantir a constituição de um novo governo, em eleições livres,  realizadas conforme as regras definidas pela legislação em vigor. 

A experiência histórica ajuda a entender a tarefa que se coloca no aqui e agora. Em 1968, durante o regime militar, os adversários da ditadura foram às ruas do Rio de Janeiro — ainda o centro político do país — num protesto gigantesco, que entrou para a história como a Marcha dos 100 000. 

A mobilização uniu entidades estudantis e sindicatos de trabalhadores, artistas de prestígio e lideranças de vários setores médios, contando com a simpatia aberta de uma parcela da imprensa que havia apoiado o golpe de 64. 

Foi o pior momento do regime militar em sua primeira fase — aquela que antecedeu o decreto do AI-5, que institucionalizou a censura e liberou a tortura. 

Meio século depois, o protesto de 24 de julho de 2021 deve ser visto num momento de definição histórica. 

Trata-se de uma resposta a um governo que prepara seu próprio AI-5, através de uma manobra suja para tentar deslegitimar a eleição de outubro de 2022, que lhe reserva uma derrota líquida e certa.  

Como a história universal nos ensina, impasses dessa natureza só podem ser confrontados pela mobilização popular, em defesa de projetos e valores que expressam as necessidades da maioria. 

Há 53 anos, na Marcha dos 100 mil, o mundo vivia tempos de Guerra Fria, quando  o alinhamento automático com Washington assegurava à ditadura militar uma sustentação  irrestrita por parte das potencias imperialistas. O golpe de Estado já fora consumado, quatro anos antes. Os generais davam os primeiros passos para institucionalizar um Estado de exceção.   

Meio século depois, a realidade contem semelhanças mas também registra diferenças. O calendário político prevê eleições dentro de 16 meses — para presidente, governadores, senadores e deputados. 

Abalada e ferida, a Constituição de 1988 continua em vigor. O Supremo começa a ser ocupado por ministros dóceis ao Planalto, mas nenhuma  vaga foi aberta pela cassação de juízes independentes. 

Se a Câmara de Deputados tem reservado águas tranquilas para Bolsonaro, coube ao Senado dar origem a uma CPI que colocou o Planalto nas cordas, revelando a trama oculta que ajudou a produzir 530 000 mortos na pandemia.  

Colocando a situação com simplicidade e clareza. Transformando  o 24 de julho num dos grandes protestos políticos de nossa história, será possível derrotar a ditadura antes que seja instituída.

Alguma dúvida?

Fonte: Brasil 247


Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter