Anadia/AL

26 de julho de 2021

Anadia/AL, 26 de julho de 2021

Braga Netto e Lira negam ameaças às eleições

Por GyanCarlo

Em 22 de julho de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vvv

Braga Netto nesta quinta-feira em cerimônia em Brasília.ADRIANO MACHADO / REUTERS

Braga Netto e Arthur Lira desmentiram reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo que afirmou que o titular da Defesa ameaçou o presidente da Câmara com a não realização de eleições ano que vem, caso a Casa não aprove o voto impresso

O ministro da Defesa, Walter Braga Netto, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), desmentiram reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo que afirmou que o titular da Defesa ameaçou o presidente da Câmara com a não realização de eleições ano que vem caso a Casa não aprove o voto impresso.

De acordo com a reportagem do jornal, a ameaça teria sido enviada a Lira por Braga Netto por meio de um “importante interlocutor político” e teria levado o presidente da Câmara a alertar o presidente Jair Bolsonaro de que não participaria de um movimento de ruptura institucional.

Ao chegar nesta manhã ao Ministério da Defesa, Braga Netto foi indagado sobre a reportagem por jornalistas e limitou-se a responder: “mentira, invenção”.

Lira, por sua vez, foi questionado sobre a reportagem pela Reuters e respondeu em uma mensagem de texto: “mentira”.

Bolsonaro tem afirmado, sem apresentar provas, que o sistema de urna eletrônica –pelo qual se elegeu não só presidente, mas vereador e deputado federal por várias vezes– é sujeito a fraude.

O presidente afirma que as eleições de 2018 foram fraudadas e que ele as teria vencido no primeiro turno. Chegou a afirmar que apresentaria provas da alegada fraude e foi provocado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que o fizesse, o que não fez até agora. Recentemente disse que apresentará evidências de que a eleição de 2014 também teria sido fraudada.

Ao contrário do que afirma Bolsonaro, o sistema eletrônico de votação é auditável e, desde a implementação da urna eletrônica em 1996, nunca foi comprovada uma fraude realizada em todas as eleições feitas desde então.

Fonte: Brasil 247

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter