Anadia/AL

25 de setembro de 2021

Anadia/AL, 25 de setembro de 2021

Rebeca Andrade ganha o ouro no salto nos Jogos de Tóquio

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 1 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
2021-08-01t094430z_1059688964_sp1eh810r21bo_rtrmadp_3_olympics-2020-gar-w-1apvt-fnl

Foto: Mike Blake

LANCE! / Brasileira conquista a segunda medalha nesta Olimpíada. Antes, tinha ficado com a prata no individual geral

Rebeca Andrade continua fazendo história nos Jogos de Tóquio. Neste domingo, ela se tornou a primeira mulher do Brasil a conquistar dois pódios na mesma edição da Olimpíada. A atleta da ginástica artística ganhou a medalha de ouro no salto nos Jogos de Tóquio. Antes, já havia conquistado a prata no individual geral.
A façanha dela veio com dois ótimos saltos, um de 15.166 e outro de 15.000, alcançando a média de 15.083. Sua principal adversária, Jade Carey, dos Estados Unidos, foi mal no primeiro salto e ficou fora do pódio. O pódio foi completado por Mykayla Skinner, dos Estados Unidos, que ficou com a prata com 14.916 de média, e a sul-coreana Seojeong Yeo, que ganhou o bronze ao fazer 14.733.

Esta é a sexta medalha da ginástica artística brasileira na história olímpica, a segunda de Rebeca. As outras quatro foram de homens: Arthur Zanetti nas argolas (ouro em Londres-2012 e prata na Rio-2016), e a dobradinha no solo dos Jogos do Rio com Diego Hypólito (prata) e Arthur Nory (bronze).

Aos 22 anos, Rebeca vai se firmando como a maior ginasta do País na atualidade e tem chance ainda de conquistar mais uma medalha no Japão, pois disputa nesta segunda, às 5h57, as finais do solo, quando vai apresentar seu “Baile de Favela”, que já teve ótima aceitação na fase classificatória e também na final do individual geral.

Rebeca Andrade ganha o ouro no salto nos Jogos de Tóquio
Rebeca Andrade ganha o ouro no salto nos Jogos de Tóquio – Foto: Lisi Niesner

O sucesso poderia até ter chegado um pouco antes não fosse as lesões na carreira da atleta. Só para se ter uma ideia, ela já foi submetida a três cirurgias para reparar o ligamento cruzado anterior no joelho direito. “Eu cheguei a pensar em desistir, mas as pessoas sempre me incentivaram a continuar”, disse.

A história da ginasta de Guarulhos é de superação. A primeira delas é por se manter no esporte mesmo diante de todas as dificuldades na vida, como falta de dinheiro até para se locomover ao ginásio onde treinava. De família humilde, foi uma lutadora desde o começo, quando iniciou aos 4 anos na modalidade.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter