Anadia/AL

17 de outubro de 2021

Anadia/AL, 17 de outubro de 2021

Comerciante que atraía jacarés com berrante morre após acidente doméstico

Por Cleysson Carlos

Em 2 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
image-4--730x420

‘Maria do jacaré’, como era conhecida, morreu aos 68 anos. — Foto: Mais Você/Reprodução

'Maria dos jacarés', como era conhecida, teve uma hemorragia interna após uma queda. Ela morreu ao entrar na sala de cirurgia não resistiu, neste sábado (31).

Eurides Fátima Macena de Barros, a famosa “Maria dos jacarés”, morreu neste sábado (31), aos 68 anos, durante uma cirurgia em decorrência de um acidente doméstico, ocorrido na casa de um dos filhos, em Miranda (MS). Após reclamar de dores, a comerciante foi ao hospital e, já no centro cirúrgico, a equipe médica descobriu uma hemorragia interna.

A comerciante era conhecida por chamar jacarés com um berrante e nomeá-los com nomes de jogadores de futebol.

“Maria dos jacarés” servia muito mais que café no seu bar, às margens da BR-262, uma das principais rodovias do Mato Grosso do Sul, próximo ao município de Miranda. O estabelecimento era ponto turístico para muitos.

Jacarés no quintal

Eurides ficou conhecida por ter no quintal de casa dezenas de jacarés como “companheiros”. Ela alimentava, fazia carinho e conversava com os animais.

A “Maria dos jacarés” começou a cuidar dos bichos ainda na década de 1970 e quem seguia o trajeto de Miranda à Corumbá (MS) tinha como “parada obrigatória” o bar da comerciante para vê-la chamar os bichos ao som do berrante.

No início de julho deste ano, Maria dos jacarés participou do programa “Terra da Gente” e contou sobre o contato que tinha com os animais.

“Os fazendeiros aqui no Pantanal usam o berrante pra chamar o gado, eu chamo o jacaré. Meu gado é o jacaré”, brincou.

A comerciante pantaneira conhecia todos os animais que apareciam por lá e chamava os bichos pelo nome. Tinha uma verdadeira “seleção” no quintal.

“Tem o Taffarel, o Ronaldinho e o Pelezão, conheço cada um”, afirmou.

Dentre tantos, um era “mais nervoso”, batizado de Felipão, ex-técnico da seleção brasileira de futebol masculino. “A lá, o Felipão chegou. Tá brigando, o Felipão brigando”.

 

Fonte: Alagoas 24 horas

 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter