Anadia/AL

28 de setembro de 2021

Anadia/AL, 28 de setembro de 2021

Pesquisa: eleição de governador pode ir para o segundo turno com um nome de RF e outro de JHC

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 6 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
rs=w_800,h_500,i_true,cg_true,ft_cover

Reprodução

A sondagem Ibrape traz dois cenários para o governo. Um espontâneo e outro estimulado.

Existem muitos cenários possíveis para 22 em Alagoas, especialmente quando se fala da disputa pelo cargo de governador.

E tudo passa, direta ou indiretamente, pela decisão de dois dos principais líderes políticos do momento no Estado – Renan Filho e JHC.

Governador e prefeito podem ou não deixar os cargos em abril do próximo ano para disputar as eleições. Saiam ou não de seus cargos, devem influenciar na escolha do sucessor de RF a ser eleito no voto direto.

E ambos podem levar essa disputa até o segundo turno. É o que aponta pesquisa inédita do Ibrape, realizada entre os dias 15 e 18 de julho deste ano em todo o Estado.

O blog teve acesso a sondagem com exclusividade. Até então apenas trecho da pesquisa – que compara a aprovação do presidente Jair Bolsonaro e do governador Renan Filho havia sido divulgado pela coluna Radar, da Revista Veja (confira abaixo).

A sondagem Ibrape traz dois cenários para o governo. Um espontâneo e outro estimulado. Na estimulada são apresentados vários nomes que circulam como possíveis candidatos ao governo – alguns do mesmo grupo político.

Há quatro nomes do grupo de Marcelo Victor/Arthur Lira e três do grupo de Renan Filho. Ainda assim o levantamento serve para apontar tendências e revela que, se as eleições fossem hoje, os grupos de Renan Filho e de JHC poderiam ter candidatos disputando um eventual segundo.

Os primeiros colocados nesse cenário da pesquisa, não por acaso, são políticos que se tornaram mais conhecidos em todo o Estado ou na capital nas últimas eleições (um em 2018 e dois em 2020)

De acordo com o levantamento estimulado, se a eleição fosse hoje e estes fossem os candidatos, o senador Rodrigo Cunha ficaria em primeiro e teria 23%, o secretário de Segurança Pública, Alfredo Gaspar de Mendonça ficaria em segundo, com 18% e o deputado estadual Davi Davino Filho seria o terceiro com 11%.

Os deputados Antônio Albuquerque e Jó Pereira teriam 3%, cada um; os deputados Marcelo Victor, Paulo Dantas e o prefeito de Pilar, Renato Filho, teriam 2% cada; O secretário de Saúde do Estado, Alexandre Ayres, e o deputado federal Isnaldo Bulhões tiveram, cada, 1% das citações. O prefeito de Cacimbinhas, Hugo Wanderley não foi citado. Dos entrevistados 17% disseram que estão indecisos e 17% disseram que votariam branco ou nulo.

Na espontânea, os entrevistados citaram Renan Filho (7,1%), Alfrego (3,1%), Rodrigo (3%), Davi (2,9%), JHC (1,3%), AA (0,8%), Paulo Dantas (0,5%), Ayres, Jó, MV, Renato (0,4% cada), Fernando Collor, Isnaldo e Ronaldo Lessa (0,2% cada um), e Cícero Cavalcante (0,1%). Não sabe, não opinou (79%).

O instituto ouviu 2.000 alagoanos entre os dias 15 e 18 de julho em todos os municípios de Alagoas. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos e a margem de confiança é de 9%.

O que é melhor?

Nos meios políticos existe um discussão sobre quem é ou não “viável” para o governo. Uma tese é de que não é preciso ser muito conhecido. Em outras palavras, há quem acredite que é possível viabilizar um nome pouco conhecido – levando-o a vitória. O que você acha?

Popularidade

Trecho da pesquisa Ibrape foi divulgado em para primeira mão pelo coluna Radar de Veja. Confira:

Pesquisa encomendada pelo MDB de Alagoas junto ao Instituto Ibrape mostra 61% dos alagoanos desaprovam a gestão de Jair Bolsonaro no Planalto.

Na terra do relator da CPI da Pandemia, Renan Calheiros, o presidente é aprovado por 36% dos entrevistados enquanto 3% não responderam.

Quando a pergunta é sobre a aprovação do governador Renan Filho, a diferença em relação a Bolsonaro se mostra gritante. Segundo a pesquisa, 76% dos alagoanos aprovam a gestão do filho de Calheiros enquanto 20% desaprovam.

O instituto ouviu 2.000 alagoanos entre os dias 15 e 18 de julho. A margem de erro é de 3 pontos.

Fonte: Blog do Edivaldo Júnior

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter