Anadia/AL

20 de setembro de 2021

Anadia/AL, 20 de setembro de 2021

Agente da SMTT e esposa são presos em operação de combate ao esquema da pirâmide financeira

Por Cleysson Carlos

Em 10 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
MP.2e16d0ba.fill-1120x650

Pirâmide financeira: Gaeco do MPAL participa da Operação “Easy Money” deflagrada no Mato Grosso

Em Maceió, foram cumpridos dois mandados de prisão e mais três de busca e apreensão e outros 17 no Mato Grosso e outros estados, onde se concentrava a liderança da Ocrim

O Ministério Público de Alagoas e do estado do Mato Grosso realizaram, na manhã desta terça-feira (10), uma operação contra uma organização criminosa, suspeita de praticar o esquema da pirâmide financeira. Em Maceió, foram cumpridos dois mandados de prisão e mais três de busca e apreensão e outros 17 no Mato Grosso e outros estados, onde se concentrava a liderança da Ocrim. Um agente da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) e a esposa foram presos e houve cumprimento de mandados de busca e apreensão na residência e em duas empresas dos mesmos.

Segundo a investigação, a organização atuava como marketing multinível e prestação de serviços de marketing financeiro.

As investigações que deram suporte ao Gaeco do MT para deflagrar esta operação, apontam que os envolvidos no esquema utilizavam a empresa King Investimentos, logo depois chamada de King-Bentley e King Prime que atraia adeptos para investimentos e apostas num processo piramidal. As ações criminosas do grupo já teria rendido milhões de reais ludibriando com falsas ofertas pessoas e todo Brasil.

A operação recebe o nome “Easy Money” , que significa dinheiro fácil, e é, segundo o Gaeco do Mato Grosso, fruto de investigação realizada no âmbito do Procedimento de Investigação Criminal (PIC) nº 01/2019, e além de Alagoas teve apoio operacional dos Gaecos do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo .

Em Maceió, foram cumpridos dois mandados de prisão e três de busca e apreensão – Foto: Ascom-MP/AL

“O Gaeco, em todo o Brasil, assim sendo o nosso em Alagoas, trabalha com muita responsabilidade e com um leque imenso de áreas para atuar, uma delas, como todos sabem, é o crime organizado direcionado nas mais diversas formas. Vale relembrar que muitas ações similares já foram desencadeadas e, neste momento, atuamos irmanados com o Gaeco do Mato Grosso cumprindo os mandados a nós incumbidos . As prisões foram feitas com nossa equipe do NGI e mais uma vez contando com o suporte do Batalhão de Trânsito da polícia militar”, declara o chefe do Gaeco, promotor de Justiça, Antônio Luiz.

“Estamos nas ruas cumprindo o nosso papel e dando uma resposta ao crime organizado. O nosso Ministério Público, por meio do Gaeco, terá sempre prazer em atuar conjuntamente com colegas de outros estados no combate às ações criminosas e zelando pela legalidade, protegendo o cidadão de bem. A operação aqui foi um sucesso, cumprimos nosso papel junto com a polícia militar levando à prisão pessoas envolvidas com uma prática abominável e que fez muitas vítimas em todo o país”, detalha a promotora Martha Bueno.

Lavagem de dinheiro

Pelos levantamentos, a Orcrim utilizava os lucros de suas ações ilícitas para lavagem de dinheiro, afetando diretamente a economia popular. Em Maceió, um agente da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) e a esposa foram presos e houve cumprimento de mandados de busca e apreensão na residência e em duas empresas dos mesmos.

Na capital alagoana, a operação foi coordenada pelo chefe do Gaeco, promotor de Justiça, Antônio Luiz dos Santos Filho, e pela promotora de Justiça, Martha Bueno, que contam com o apoio operacional do Núcleo de Gestão da Informação (NGI) e da Polícia Militar e suas guarnições do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran).

Fonte: Gazeta Web

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter