Anadia/AL

23 de setembro de 2021

Anadia/AL, 23 de setembro de 2021

Casos de morte por Covid de pessoas já imunizadas com as duas doses de vacina são raros e pontuais, diz infectologista

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 14 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vvvb

Reprodução / Mara Santos

Alagoas registrou no início da semana os primeiros casos da variante Delta da Covid-19. Mais transmissível e com potencial de desenvolver nos infectados uma forma mais grave da doença, a cepa foi registrada em um morador de Maceió, um idoso de 63 anos, e outro de Palmeira dos Índios, um jovem de 24 anos.

A Secretária de Estado da Saúde (Sesau) afirmou que está acompanhando os casos e informou que ambos os infectados com a cepa indiana não apresentaram sintomas graves da Covid-19.

A variante Delta é a segunda mais prevalente no mundo, em primeiro está a Alfa, mas tem preocupado a população mundial e, agora, a alagoana, pois além de ser mais transmissível, há registro de que ela aumentou o número de casos em alguns países, sinalizando um alerta para a manutenção de cuidados e liberação de atividades.

Em entrevista ao CadaMinuto, o infectologista Fernando Maia, falou sobre a variante Delta, esclareceu dúvidas sobre os sintomas apresentados pelos infectados e ressaltou a importância da imunização completa, para que as pessoas não desenvolvam a forma grave da Covid-19.

O médico também destacou a eficácia das vacinas contra a variante Delta e explicou o motivo pelo qual as pessoas mesmo vacinadas com as duas doses, podem se infectar e até morrer em decorrência da doença, mas destacou que os casos são “raros e pontuais”. Confira a entrevista:

1- Alagoas registrou os primeiros casos da variante Delta, da Covid-19. Sabe-se que essa cepa é mais transmissível, por quê?

De fato, a variante Delta é mais transmissível. Essa mutação que originou essa variante torna ela com a capacidade maior de ligação do vírus na célula do hospedeiro, por isso, ela é muito mais contagiosa. Uma pessoa contaminada pode contaminar até outras 20 pessoas. Por isso, essa cepa Delta tem causado tanto estrago. A doença em si não é mais grave do que outras, mas ela atinge um número maior de pessoas.

2- De que forma essa variante atua no organismo? Quais são os sintomas e há algum diferente ou mais tênue?

Os sintomas são os mesmos apresentados pela infecção dita normal da Covid-19. A diferença é que como a variante Delta é mais contagiosa, ela vai causar mais casos, mas o quadro clínico em si é igual a todas as outras variantes.

3- O estado tem registrado queda no número de infecções e óbitos por covid. Há risco de voltem a crescer com a presença dessa variante?

De fato, nós estamos passando por um período de tranquilidade. Nunca tivemos tão poucos casos de Covid, desde o início da pandemia, como estamos tendo agora. Houve uma queda importante. No entanto, a introdução da variante Delta sempre causa uma preocupação de que esses números podem voltar a crescer, se a vacinação parar e, também, se as pessoas tiverem desleixo nas medidas que a gente já sabe, de usar máscaras, manter a higiene das mãos, manter o distanciamento, etc.

4- Há algum cuidado diferente que as pessoas devem ter para se prevenir?

Os cuidados são os mesmos de sempre. Então, é correr atrás da vacinação. Se já chegou a sua vez, corra atrás da vacina. A população deve manter o distanciamento social, o uso de máscara, a higiene das mãos e todas as medidas e protocolos sanitários já enfatizados, desde o início da pandemia.

5- As vacinas disponíveis são eficazes contra a variante Delta?

As vacinas disponíveis são sim eficazes contra a variante Delta. Lembrando que as vacinas evitam mortes e a forma grave da doença, mas não evitam a infecção, ou seja, mesmo que já tomou vacina pode ser infectado. Por isso, ressaltamos a necessidade de que mesmo vacinadas, as pessoas devem e têm que manter os cuidados necessários.

6- Ainda que vacinadas, as pessoas podem se infectar com essa cepa e desenvolver a doença de forma grave?

Todas as vacinas que estão sendo utilizadas atualmente são muito boas, mas nenhuma vacina, não só as da Covid-19, mas qualquer outra vacina, nenhuma delas garante 100% de imunidade. Todas elas dão mais de 98% de imunidade contra formas graves da doença.

7- Há registros de pessoas que morreram em consequência da Covid-19, mesmo estando imunizadas. Como é possível a pessoa mesmo vacinada com as duas doses, desenvolver a doença de forma grave, chegando a óbito?Indivíduos que já têm alguma comorbidade importante, ou já são muito idosos, eles já têm a fragilidade natural da idade ou a fragilidade da respectiva doença pré-existente. De modo, que essas pessoas mesmo vacinadas ainda têm o risco de morrer. São exatamente essas pessoas que compõem o grupo das pessoas que morrem, mesmo já estando vacinadas. Então, sempre vai haver pessoas que, eventualmente, podem desenvolver uma forma grave da doença e podem morrer, como temos casos já noticiados. Mas são casos raros e pontuais, é muito importante dizer isso.

Hoje, mais de 90% das pessoas internadas com Covid-19 são pessoas não vacinadas. Isso mostra claramente a capacidade que a vacina tem de evitar isso, a internação. Agora, nada é 100%, e as vacinas de Covid não são exceção, aliás, como nenhuma outra vacina é 100%.

Sobre a variante Delta do novo coronavírus

A variante Delta, originalmente conhecida como B.1.617.2, foi detectada na Índia, no estado de Maharashtra, em outubro de 2020. Nos últimos meses tornou-se rapidamente dominante em muitos países, inicialmente no Reino Unido, depois em outros 142 países, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Ela também é responsável por mais de 80% dos casos recém-diagnosticados nos Estados Unidos, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano.

No Brasil, até o dia 10 de agosto, a cepa indiana da Covid-19 foi identificada em 13 estados e no Distrito Federal, segundo o Ministério da Saúde. Além de Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Distrito Federal, já identificaram casos de infectados com a variante Delta.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, o Brasil já contabiliza 570 casos da variante Delta e 36 mortes em decorrência de infecção por esta cepa.

Após os dois casos registrados em Alagoas, o governo do estado tem ressaltado a importância da vacinação para se proteger da variante Delta e informou que, apesar da redução no número de óbitos, casos e ocupações de leitos, manterá ativos os leitos de UTI/Covid em todo o estado, por precaução.

Fonte: Cada Minuto

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter