Anadia/AL

28 de setembro de 2021

Anadia/AL, 28 de setembro de 2021

1º transplante de fígado realizado em AL completa três meses neste sábado

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 15 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vvv

Procedimento ocorreu no dia 14 de maio deste ano e beneficiou o educador físico Jorge Ricardo Queiroz de Andrade

O primeiro transplante de fígado realizado no Estado de Alagoas completa três meses no sábado (14) e o educador físico Jorge Ricardo Queiroz de Andrade, que recebeu o órgão no dia 14 de maio, está em casa junto à esposa e as quatro filhas desde julho. A recuperação está sendo tranquila, sem infecções, mesmo diante da pandemia do novo coronavírus. Um marco para o Estado de Alagoas, o transplante de fígado feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), foi o primeiro de muitos que serão realizados daqui para frente.

De casa, Jorge Ricardo está seguindo as recomendações médicas. “Estou fazendo tudo certo, não saio de casa, a não ser para as consultas e os exames. Estou tomando vários medicamentos, a recuperação é lenta. Mas, com relação ao futuro, eu tenho muita fé em Deus”. Ele afirmou que não vê a hora de voltar a participar de projetos sociais e a frequentar a casa de Deus. O transplantado fez ainda um apelo para que as pessoas se conscientizem sobre a importância da doação de órgãos e passou o recado: “é muito importante salvar uma vida fazendo a doação de órgãos”, salientou.

Alagoas é, agora, um dos 15 estados brasileiros credenciados a realizar este tipo de transplante e os alagoanos não precisam mais sair do Estado para realizarem esta cirurgia de alta complexidade, com uma equipe qualificada. Aqui são realizados os transplantes de córneas, rim, coração e fígado. E este ano, até agora, foram realizados os transplantes de córnea e fígado.

A coordenadora da Central de Transplantes de Alagoas, Daniela Ramos, comemora o transplante realizado: “Sem dúvidas é um marco muito importante para Alagoas ter o transplante de fígado sendo feito aqui. Muitos alagoanos que precisavam se deslocar para outros estados, agora podem ficar perto dos seus familiares. E o Secretário Alexandre Ayres não mediu esforços para que essa realidade fosse concretizada”, destacou.

Para o secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres, a habilitação de Alagoas para a realização do transplante de fígado representa mais uma grande conquista que o Governo de Alagoas obtém em uma área tão importante na saúde pública. “Estamos ampliando a Rede Hospitalar, mas, sempre com um olhar voltado para a assistência e o bem-estar dos alagoanos. Por isso, possibilitar que o alagoano seja submetido ao transplante de fígado no Estado onde reside é uma ação que assegura qualidade de vida a quem mais precisa”, salientou Ayres.

Mais Transplantes – Daniela Ramos afirma, ainda, que existe possibilidade de se realizar mais transplantes de fígado ainda este ano, mesmo diante do cenário pandêmico: “Para ter transplantes é necessário que a família autorize a doação de órgãos. No caso de doadores de múltiplos órgãos, o paciente precisa ter a morte cerebral diagnosticada, atender aos critérios de elegibilidade, autorização da família e ser compatível com o receptor que aguarda o órgão”, explicou Daniela. “Trabalhamos para oferecer à família a chance de dizer sim à doação e proporcionar aos pacientes, que estão nas filas aguardando por um órgão, mais uma chance de vida”, continuou.

Sobre o transplante no Brasil – De acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), foram realizados 10.384 transplantes de órgãos (rim, coração, pâncreas, pulmão, medula óssea, córnea e fígado), no Brasil, de janeiro a junho de 2021. Desse número, 920 transplantes foram de fígado. Segundo o Ministério da Saúde (MS) do total de transplantes realizados no País, 96% são feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Vale lembrar que, no Brasil, basta comunicar à família sobre o desejo de ser doador para que a família possa autorizar posteriormente, mas a recusa familiar ainda é alta e se torna um dos principais motivos para que um órgão no Brasil não seja doado: mais de 43% das famílias recusaram a doação de órgãos de seus parentes após morte encefálica comprovada, em 2020, segundo dados da ABTO. Em Alagoas esse número está em 40%.

O doador vivo pode doar um rim, medula óssea, parte do fígado (em torno de 70%) e parte do pulmão (em situações excepcionais). Já um único doador falecido pode salvar mais de oito vidas, podendo doar coração, pulmão, fígado, os rins, pâncreas, córneas, intestino, pele, ossos e válvulas cardíacas.

Balanço – Conforme dados da Central de Transplantes de Alagoas, o Estado realizou 34 transplantes este ano, sendo 32 de córnea e dois de fígado, que contemplou Jorge Ricardo Queiroz de Andrade. Com relação à fila de espera, atualmente há 331 alagoanos aguardando por um transplante de córnea, 122 por um de rim, três por um novo coração e dois esperam por um fígado. “Para ser um potencial doador de órgãos, basta comunicar a família o desejo, não sendo mais obrigatório deixar registrado na Carteira de Identidade”, reiterou a coordenadora da Central de Transplantes de Alagoas.

Fonte: Diário Arapiraca

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter