Anadia/AL

23 de setembro de 2021

Anadia/AL, 23 de setembro de 2021

Governadores vão pedir reunião com Bolsonaro e chefes dos Poderes

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 23 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
20210823135537211955i

Governadores no salão nobre do Palácio do Buriti, sede do Governo do Distrito Federal (GDF), nesta segunda-feira (23/8) - (foto: Reprodução)

Reunião desta segunda-feira (23/8) do Fórum dos Governadores levantou a discussão sobre a defesa da democracia

Fórum dos Governadores decidiu, nesta segunda-feira (23/8), que vai solicitar uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), chefes de outros Poderes e os comandantes das Forças Armadas. O encontro realizado no salão nobre do Palácio do Buriti, sede do Governo do Distrito Federal (GDF), contou com a participação de 25 dos 27 governadores da federação presencialmente ou de forma virtual, incluindo o de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

A reunião acontece três dias após Bolsonaro enviar ao Senado um pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Por isso, a pauta do encontro foi centralizada nos seguintes temas: 1) Conjuntura Atual e Defesa da Democracia; 2) Riscos ao Pacto Federativo: Desequilíbrios Fiscais para Estados e Municípios, e Caminhos Alternativos de Receita em Discussão no Congresso Nacional e no Supremo Tribunal Federal; 3) Governança Climática.

O coordenador do Fórum e governador do Piauí, Wellington Dias (PT), defendeu a criação de um “Pacto pela Democracia”. “O Brasil precisa criar um ambiente de diálogo onde possamos ter todas as condições de segurança, principalmente para atração de investimentos e nada melhor do que o diálogo respeitando as posições, a democracia depende disso”, ressaltou.

A ideia, segundo o governador, é utilizar os mesmos moldes do “Pacto pela Vida”, proposto pelos gestores durante a pandemia. “Paralelo a isso, também a apresentação de medidas que possam garantir as condições de saída segura para esta crise. De um lado, dar uma condição de serenidade na política e do outro lado a gente colocar na prioridade esse Pacto pela Vida, mas com a preocupação do social e o econômico”, reforçou Wellington Dias.
Para a defesa da democracia, os gestores discordaram sobre quais as primeiras atitudes que deveriam tomar. Alguns governadores defenderam uma carta ou nota pública rebatendo ações e cobrando mudanças do chefe do Palácio do Planalto, enquanto outros sugeriram que eles pedissem uma reunião com Bolsonaro.
O chefe do Executivo de São Paulo, João Doria (PSDB), cobrou dos governadores uma reação conjunta às ameaças contra a democracia feitas pelo chefe do executivo federal. “Entendo que é dever dos governadores formularem uma carta em defesa da democracia e da vida. Não nos cabe silenciar”, disse o tucano.
Do mesmo partido de Doria, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) também defendeu o posicionamento conjunto dos chefes estaduais. “É grave, de fato, o que vivemos no Brasil. Acho que exige da nossa parte. A União é a soma das partes, a soma dos estados. Somos governadores dos estados que compõem esta União e devemos nos posicionar”, afirmou.
Ao final da reunião, ficou acordado que a proposta do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), prevalece. Barbalho defendeu que o grupo solicite uma reunião ampliada com Bolsonaro, chefes de outros Poderes e os comandantes das Forças Armadas.
Estado de Minas solicitou o posicionamento do governador de MG Romeu Zema, mas até o fechamento da matéria não teve resposta.

Fonte: Estado de Minas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter