Anadia/AL

16 de setembro de 2021

Anadia/AL, 16 de setembro de 2021

Estudantes desenvolvem projeto de combate à violência contra a mulher

Por GyanCarlo

Em 29 de agosto de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vvv

Campanha foi elaborada por estudantes da EJAI da Escola Municipal Doutora Nise da Silveira | Pedro Caldas/Ascom Semed

Ascom Semed

Um estudo desenvolvido por alunos da Educação de Jovens Adultos e Idosos da  Escola Municipal Doutora Nise da Silveira, localizada no bairro Antares, reuniu relatos de exemplos de relacionamentos abusivos numa sequência didática que traz como tema a violência contra a mulher. O projeto que faz parte do componente da língua portuguesa teve como base a criação de uma campanha, na qual os alunos puderam produzir conteúdos, escrever, desenhar, gravar vídeos e tirar fotos que foram postados em suas redes sociais com objetivo de chegar ao maior número possível de pessoas nas diversas formas de denúncia e combate a violência doméstica.

O trabalho contou com a participação dos próprios alunos que atuaram em fotos e vídeos produzidos por eles mesmos. Na produção, mensagens de denúncia ao agressor e apoio à vítima escritas em frases e desenhos. Mensagens de impacto como “Mulheres, nunca se calem! O silêncio pode matar” em meio ao número 180, fonte de denúncia principal fornecido pela polícia estiveram presentes na maioria dos trabalhos.

A coordenadora Pedagógica da Educação de Jovens Alunos e Idosos (Ejai), Eliete Cavalcante destaca que para realização desse trabalho foi feito um debate onde os alunos se pronunciaram quanto ao assunto. “Alguns alunos relataram suas experiências em relacionamentos abusivos e como se livraram do agressor”, frisa. A coordenadora explica que foi proposta uma atividade através do Google Forms com o objetivo de observar como alunos de forma individual se expressavam sobre o tema.

A turma participou de uma pesquisa com perguntas relacionadas ao tema, para que fossem observadas as suas opiniões em torno da questão, esclarecendo assim, dúvidas e levantando questões necessárias.

Para o aluno da Ejai, Daniel José, é muito triste ver um homem violentar as mulheres. “Parece que esses homens não têm coração”, lamentou. Já o aluno José Anderson ressaltou que muitas mulheres não denunciam a violência por medo: “É uma triste realidade que muitas mulheres estão vivenciando e ficam caladas. Não denunciam por medo”.

Portaria

A importância do tema ser abordado não somente de forma pontual e sim durante todo o ano foi um dos principais objetivos dessa portaria. A secretária-adjunta de Gestão Educacional, Emília Caldas argumenta que é importante que essa temática seja discutida diariamente com ações e projetos escolares, para que seja trabalhada a lei maria da penha, impulsionando assim, o debate de discussão entre os alunos sobre a prevenção e o combate à violência.”

Ela explica que a violência pode ser caracterizada de várias formas, seja ela física, psicológica ou patrimonial. Nesse sentido, ainda segundo ela, o objetivo é estimular a visão crítica de cada estudante ajudando a identificar de forma imediata sobre qual tipo de violência a vítima pode estar sofrendo e como combater.

Emília Caldas observa que já existem boas práticas com projetos desenvolvidos neste contexto, a exemplo da escola Nise da Silveira que vem desempenhando um trabalho de destaque no enfrentamento do abuso contra a mulher na educação de jovens e adultos. “Práticas como essa devem ser replicadas por todas as escolas que compõem o sistema municipal de ensino”, acrescenta.

Fonte: TNH1

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter