Anadia/AL

24 de setembro de 2021

Anadia/AL, 24 de setembro de 2021

Análise: Fluminense fecha o turno perto do G-6, mas ainda é cedo para sonhar com a Libertadores

Por GyanCarlo

Em 8 de setembro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vv

Além dos três pontos, Fluminense teve saldo positivo na Arena Condá — Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC

Flu sofre para vencer a lanterna Chapecoense e volta a apresentar problemas defensivos | Por Thiago Lima — Rio de Janeiro

A vitória sofrida por 2 a 1 sobre a lanterna Chapecoense (veja os melhores momentos no vídeo acima), na noite da última terça-feira na Arena Condá, é um claro exemplo de que a equipe ainda não está pronta. Contra o pior time não só do campeonato, como também de pior campanha na história dos pontos corridos, o Fluminense conseguiu complicar um jogo que estava em sua mão.

O início promissor, com 66% de posse de bola, duas finalizações e dois gols contra nenhum chute do adversário em 20 minutos, foi como uma ilusão de ótica. Ainda no primeiro tempo, a Chapecoense reagiu e teve chances até de empatar, mas parou na noite inspirada de Marcos Felipe. Na etapa final foi ainda pior, e o Fluminense perdeu totalmente o controle do jogo diante do lanterna, que terminou com mais oportunidades de gol: cinco a quatro.

Scout – Chapecoense x Fluminense

QuesitoChapecoenseFluminense
Posse de bola51%49%
Finalizações107
Chances de gol54
Passes certos447381
Passes errados9170
Desarmes3029
Faltas184
Impedimentos10

As falhas defensivas voltaram a acontecer, especialmente na bola aérea, e o problema parece ir além da falta de concentração apontada por Marcão. No lance do gol de Perotti, Samuel Xavier deu um bote no meio de campo e deixou um buraco às suas costas para Denner cruzar. Nino, então, foi obrigado a sair da área para marcar o ponta, deixando Luccas Claro sozinho contra dois na área. Já não é a primeira vez que um adversário usa essa estratégia para tirar um zagueiro de sua posição.

Nino saiu da área para cobrir Samuel Xavier no lance do gol de Perotti — Foto: ge

Nino saiu da área para cobrir Samuel Xavier no lance do gol de Perotti — Foto: ge

Posicionamento tricolor no escanteio foi falho em quase gol de Alan Santos — Foto: ge

Posicionamento tricolor no escanteio foi falho em quase gol de Alan Santos — Foto: ge

Ofensivamente, mesmo com um ataque bastante modificado, sem Fred e Arias, o Fluminense até que conseguiu criar. Foram quatro oportunidades (duas de bola parada) que o time teve para marcar: o gol de Bobadilla cara a cara com o goleiro aos nove minutos; a cabeçada certeira de Luiz Henrique aos 17; o chute mascado de Martinelli na área após boa jogada de Caio Paulista, aos 43; e a cabeçada do centroavante paraguaio que passou bem perto, aos 19 do segundo tempo.

À medida que a Chapecoense se arriscou e colocou mais jogadores de ataque, o Fluminense recuou demais, perdeu o meio de campo e ficou sem saída de contra-ataque. E as alterações mais uma vez não surtiram efeito, exceto Caio Paulista, que substituiu o lesionado Luccas ainda no primeiro tempo. Nenê entrou na ponta, onde não tem muita velocidade; Abel Hernández foi mais um lateral-esquerdo para dobrar a marcação com Danilo Barcelos; e Nonato e Wellington nada acrescentaram no fim.

Bobadilla foi o melhor em campo e fez sombra para Fred — Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC

Bobadilla foi o melhor em campo e fez sombra para Fred — Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC

Um fato curioso é que Caio Paulista, antes da lesão, virou titular absoluto e principal jogador com Roger Machado como ponta-direita. Nesta volta ao time, entrou como ponta-esquerda onde estava Lucca e lá ficou até o fim, mesmo após a saída de Luiz Henrique no segundo tempo. Imaginando a possível dobradinha com Arias, a tendência é que Caio retorne para o lado direito.

Caio Paulista voltou ao time depois de 11 jogos fora — Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC

A Voz da Torcida – Gabriel Amaral: “Se você não conhecia, esse é o modo Marcão”

O próximo compromisso promete ser um bom sarrafo para este ainda inconstante Fluminense: o time de Marcão recebe o também irregular São Paulo no domingo, às 20h30 (de Brasília), no Maracanã, adversário que o clube não vence desde 2019. Os jogadores retornam de Chapecó nesta quarta-feira, tiram o restante do dia de folga e se reapresentam na manhã de quinta no CT Carlos Castilho. Com 25 pontos, o Tricolor é o sétimo colocado do Brasileirão.

 Fonte: GE

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter