Anadia/AL

28 de setembro de 2021

Anadia/AL, 28 de setembro de 2021

Representantes de sindicatos fazem panfletagem contra PEC 32 em Maceió

Por GyanCarlo

Em 15 de setembro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vv

Foto: Edilson Omena

Ação aconteceu nesta quarta-feira (15), no Centro da capital alagoana

Representantes de entidades sindicais e movimentos sociais estiveram nas ruas do Centro de Maceió na tarde desta quarta-feira (15), realizando uma panfletagem contra a PEC 32 – Reforma Administrativa que deve ser votada Câmara dos Deputados ainda hoje.

De acordo com Rilda Alves, presidente da Central Única dos Trabalhadores em Alagoas (CUT/AL), ressalta que a panfletagem tem o intuito de mostrar a população que se a PEC 32 for aprovada, não só os trabalhadores, mas toda a população será atingida de forma negativa.

Rilda Alves, presidente da CUT/AL (Foto: Edilson Omena)

“Se aprovada os serviços essenciais como educação, saúde entre outros serão extremamente prejudicados. E isso não afetará apenas o trabalhador, mas todos os brasileiros. Entre as pautas levadas a população durante todos os atos mostramos que a PEC 32, não vai trazer melhorias e sim retrocesso. Em todas manifestações tivemos esse objetivo de conscientizar a população, para que cada um chegue em seu deputado e em demais políticos pedindo esclarecimentos e pedindo que não aprovem esse absurdo. Vamos continuar lutando pelo direito do trabalhador’’, disse Rilda.

Participaram da ação, representantes do Sindicato dos Bancários, dos trabalhadores do Correios, Sintufal, Sintietfal e outros.

ENTENDA

A PEC 32 propõe uma mudança estrutural nos serviços públicos e na relação do Estado brasileiro com os seus servidores, acabando com o regime jurídico atual disciplinado pela Constituição Federal de 1988 e pela Lei 8.112/1990, pelos planos de carreira e estatutos funcionais. Serão afetados os servidores públicos civis de todos os entes federativos, da administração direta e indireta e também os empregados de empresas públicas e sociedades de economia mista

Ficaram de fora da reforma os magistrados, parlamentares, militares das forças armadas e membros das carreiras típicas de Estado, o que demonstra que a reforma não atinge, justamente, os segmentos melhor remunerados do serviço público.

Passam a existir cinco formas de entrada no serviço público, a maioria delas sem estabilidade e sem concurso público. Prevalecerão o recrutamento amplo e a seleção simplificada para ingresso. Desta forma, os pilares do regime jurídico estatutário estarão destruídos: o ingresso por concurso público e a estabilidade do servidor.

Serão extintos diversos direitos dos futuros servidores e os atuais também terão perdas significativas, com a permissão para a extinção e transformação de cargos, o fim de gratificações e funções e o impedimento para exercerem funções comissionadas.

A PEC tem forte viés autoritário e dá poderes ao Executivo para acabar com autarquias e fundações por decreto. Além de tudo isso outras mudanças estão no projeto caso aprovada.

Fonte: Tribuna Hoje

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter