O Plano Especial de Proteção Civil e Atenção às Emergências de Risco Vulcânico das Ilhas Canárias (Pevolca) elevou o nível de alerta de verde para amarelo. Quando acionado, a população deve se prevenir e ficar atenta as mudanças. Além disso, a atividade vulcânica e sísmica passa a ser monitorada intensamente.

O vulcão batizado de Cumbre Vieja, está adormecido há décadas e começou a dar sinais de atividade moderada nos últimos dias. O Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias, Involcán, descreveu o movimento como “uma mudança significativa” no vulcão, ligada ao fenômeno conhecido como intrusão magmática, um processo que ocorre dentro da crosta terrestre em que o magma se aproxima da superfície.

Segundo a meteorologia, somente em caso de grande erupção, um tsunami afetaria todas as áreas costeiras banhadas pelo Oceano Atlântico, o que inclui todo o litoral do Brasil, do Rio Grande do Sul ao Amapá. Por isso, pesquisadores estão sempre alerta no vulcão de Las Palmas.

Carlos Teixeira diz afirmou que não é preciso se preocupar no momento. “Se essa possibilidade de erupção ocorrer, não significa que vai ser explosiva; se for, não quer dizer que vai chegar aqui com ondas de oito, dez metros; pode chegar aqui bem menor”, explica.

Segundo o site Metsul, a região de La Palma enfrenta um aumento relevante nos movimentos sísmicos desde sábado, “Sua intensidade aumentou com abalos que tiveram magnitude superior a 3. A profundidade dos epicentros também diminuiu, em média, de 30 para 12 quilômetros. Só ontem foram mais de 100 tremores e um teve profundidade de apenas 4 quilômetros”, informa.

Fonte: IG