Anadia/AL

17 de outubro de 2021

Anadia/AL, 17 de outubro de 2021

PF CUMPRE MANDADOS EM AL EM OPERAÇÃO QUE INVESTIGA FRAUDES NA COMPRA DE MEDICAMENTOS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 21 de setembro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
pf-tocantins-800x445

PF deflagra operação que investiga fraudes no Ministério da Saúde - Foto Divulgação

Os investigadores cumprem 15 mandados de busca e apreensão em Alagoas, Minas Gerais, Pernambuco, Distrito Federal e São Paulo.

A Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira (21), operação que investiga fraudes na compra de medicamentos de alto custo pelo Ministério da Saúde. Os investigadores cumprem 15 mandados de busca e apreensão em Alagoas, Minas Gerais, Pernambuco, Distrito Federal e São Paulo.

A suspeita, segundo os agentes, é de que um esquema favorecia empresas, o que gerou desabastecimento no estoque da pasta. As fraudes teriam provocado a morte de pelo menos 14 pacientes e prejuízo de R$ 20 milhões (veja detalhes abaixo).

Segundo a investigação, os crimes ocorreram entre 2016 e 2018. Os policiais identificaram que o esquema envolveu a aquisição de medicamentos pela Diretoria de Logística em Saúde do Ministério da Saúde.

A PF informou que o abastecimento dos seguintes remédios foram afetados pelo esquema:

Aldurazyme
Fabrazyme
Myozyme
Elaprase
Soliris/Eculizumabe

Os policiais disseram que encontraram indícios de inobservância da legislação administrativa, licitatória e sanitária, além do descumprimento de decisões judiciais dadas a pacientes. Os envolvidos podem responder pelos crimes de fraude à licitação, estelionato, falsidade ideológica, corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e corrupção ativa.

‘Agravamento de saúde’

Segundo a PF, a má condução dos processos de aquisição desses medicamentos causou o desabastecimento por vários meses dos estoques da pasta. A Polícia Federal estima que houve repasse de R$ 20 milhões para a compra de medicamentos que nunca foram entregues.

Os investigadores informaram que o problema gerou prejuízo a centenas de pacientes beneficiários de ordens judiciais, o que contribuiu para o ‘agravamento de saúde’ deles.

Imagem – Metrópoles 

Dos pacientes que sofreram com a falta dos medicamentos, pelo menos 14 morreram. Os agentes disseram que a informação sobre os óbitos foi prestada por associações e familiares de vítimas, que afirmaram aos policiais que elas morreram sem acesso a uma última tentativa de tratamento médico.

Fonte: Redação C/ G1

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter