Anadia/AL

27 de outubro de 2021

Anadia/AL, 27 de outubro de 2021

MPE pede que Polícia Civil investigue denúncias contra braço direito de Ayres

Por GyanCarlo

Em 23 de setembro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
vv

Cortesia à Gazetaweb | Secretários Alexandre Ayres e Marcos Ramalho

Promotora Shanya Maria Dantas Pinto já instaurou notícia de fato para apurar supostas irregularidades cometidas pelo Sargento Ramalho Thiago Gomes

Provocado pelo deputado estadual Davi Maia (DEM), o Ministério Público de Alagoas (MPAL) já está investigando o caso por meio de uma notícia de fato, instaurada no mês passado. No âmbito desta apuração, a titular da Promotoria solicitou a colaboração da Polícia Judiciária para, também, investigar as informações do parlamentar dando conta de que o servidor estaria praticando irregularidades no exercício do cargo público.

Pela documentação apresentada pelo deputado, Ramalho é suspeito de acumulação ilegal de cargos públicos, recebimento de vencimentos superiores ao teto constitucional do funcionalismo público estadual, indícios de fraudes na escala de plantões do Hospital Metropolitano, indícios de fraudes na escala de plantões do SAMU/AL [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Alagoas] e possíveis atos de improbidade administrativa de violação de princípios, lesão ao erário e de enriquecimento ilícito.

“Com relação aos supostos crimes contra a administração pública e contra a fé pública possivelmente praticados pelo servidor, em face das evidências obtidas e à míngua de elementos mínimos para subsidiar eventuais providências na seara criminal, com fulcro no Artigo 5º, inciso II, do Código de Processo Penal, requisito a instauração do competente inquérito policial”, afirmou a promotora Shanya Dantas.

Na sessão ordinária desta quinta-feira (23), na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), Davi Maia repercutiu este requerimento da promotora e a abertura de um procedimento preparatório, ainda no âmbito do MPAL, para investigar provável acúmulo irregular de cargos praticado por vários servidores da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). A denúncia também foi formulada pelo parlamentar.

De acordo com Davi Maia, o Sargento Ramalho chegou a receber uma média de R$ 70 mil por mês de salário. Ele estaria acumulando os cargos de secretário-executivo, plantonista no Hospital Metropolitano (do qual seria o diretor-geral) e no Samu (onde assumiu a coordenação).

Ainda segundo o deputado, o servidor constaria em escalas de plantão simultâneas, nenhumas delas cumprida. Pessoas diretamente ligadas e subordinadas a Ramalho também foram citadas pelo parlamentar como possíveis beneficiárias deste atos ilícitos na gestão Ayres.

Ele denunciou que o secretário-executivo tem salário de R$ 15 mil mensal, mas ainda estaria recebendo cerca de R$ 50 mil somente com plantões simultâneos que estaria tirando no Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] e no Hospital Metropolitano de Maceió.

Na pesquisa, ele também descobriu que o servidor ainda recebe R$ 5 mil da Prefeitura de Maceió, após ter conseguido passar em um processo seletivo da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

O parlamentar revelou que, em abril, o denunciado deu 42 plantões no Samu e no Metropolitano. E relatou que, em março, foram 14 plantões ao mesmo tempo, recebendo por dois plantões pelo mesmo turno, como se estivesse ao mesmo tempo nos dois locais.

Fonte: Gazeta Web

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter