Anadia/AL

26 de outubro de 2021

Anadia/AL, 26 de outubro de 2021

Posseiros pedem intervenção do Iteral para regularização em imóvel rural

Por GyanCarlo

Em 28 de setembro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
VV

(Foto: Helciane Angélica Santos Pereira / Ascom Iteral)

Famílias camponesas alegam que moram e trabalham há 50 anos em uma propriedade rural, que encontra-se na dívida ativa da União

Agricultores familiares que estão na condição de posseiros procuraram o Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral), no dia 27 de setembro, em busca do apoio institucional para permanecer em uma área intitulada “Livramento” situada no município de Colônia Leopoldina. O grupo foi recebido pelo diretor presidente do Órgão de Terras, Jaime Silva, e conta com o apoio da Comissão Pastoral da Terra (CPT/AL) e da Defensoria Pública.

O imóvel rural registrado no ano de 1945 possui cerca de 783 hectares e funcionou o antigo Engenho Livramento. Obteve vários proprietários, já passou por um leilão que não obteve efeito legal, foi penhorado pela Usina Taquara Ltda e atualmente encontra-se na Dívida Ativa da União. As famílias camponesas estabeleceram-se no local há mais de 50 anos, construíram suas casas de taipa, organizaram suas roças, e nunca receberam ameaças ou a reintegração de posse. Porém, com as irregularidades financeiras temem ser expulsos.

O diretor presidente do Órgão de Terras, Jaime Silva, garantiu a assistência na negociação para a permanência das famílias. “Primeiramente, é importante saber se realmente existe débito e quanto é este débito com o Estado para se pensar em um encontro de contas com o proprietário atual. Também é preciso fazer o levantamento sobre o histórico dessas famílias, saber quantas estão morando no local, fazer o cadastro e verificar a produção atual”.

De acordo com Carlos Lima, coordenador estadual da Comissão Pastoral da Terra, os agricultores familiares já encontram-se com a terceira geração no local. “Nós assumimos essa demanda como luta da CPT, levamos o caso para a Defensoria Pública, porque entendemos que é uma injustiça muito grande desalojar mais de 50 famílias, por conta de uma dívida e desconsiderar a vida social. Essas famílias vão para onde? Temos que evitar esse extremo, porque essas pessoas vivem daquilo e tem uma produção diversificada”, declarou.

O agricultor José Iran da Silva de 66 anos afirmou que chegou neste imóvel rural quando tinha apenas oito meses de vida. Mora e produz no local que foi fruto do trabalho do seu pai, atualmente possui cerca de 15 pessoas na mesma casa e compartilha seus ensinamentos com os filhos e netos. “Eu planto cana, banana, macaxeira, banana, feijão… de tudo eu tenho um pouquinho! A gente tá com medo de sair sem nenhum direito, o mais novo que tem lá tem 30 anos de morada e ninguém tem dinheiro para comprar uma casa”.

O defensor público João Maurício da Rocha ressaltou que a instituição dará o apoio jurídico necessário a essas famílias carentes e ressaltou que a reunião foi importante para resolver sobre os procedimentos jurídicos quanto ao usucapião e as questões administrativas a cargo do Iteral para garantir o assentamento dessas famílias.

Fonte: Tribuna Hoje

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter