Anadia/AL

27 de outubro de 2021

Anadia/AL, 27 de outubro de 2021

Talibã vai adotar Constituição do tempo do rei até escrever nova Carta

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 28 de setembro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
naom_613380ca9f063

© Getty Images

Por Folhapress

Em mais um sinal contraditório acerca de suas intenções, o Talibã afirmou que irá adotar temporariamente a Constituição de 1964, do tempo em que o país era uma monarquia e considerada um texto liberal para os padrões locais.

Por outro lado, afirmou nesta terça (28) à agência Aamaj News o ministro interino da Justiça, Abdul Hakim Sharae, a Carta será adaptada à interpretação que o grupo fundamentalista faz do Islã –o que deixa óbvias dúvidas se instrumentos como o voto feminino e o reduzido poder do clero muçulmano ficarão de pé.
O novo texto, até a confecção de um definitivo, deve remeter à lei islâmica, cuja leitura aberrante feita pelo Talibã tornou famoso seu governo de 1996 a 2001 pela brutalidade.

O documento de 1964 foi aprovado em uma loya jirga, ou grande assembleia de anciãos tribais, no reinado de Mohammed Sahir Shah (1933-1973). A Carta limitava o poder de religiosos e indicava que não havia rituais ou normas islâmicas obrigatórias a serem seguidas. O Parlamento ganhava autonomia.

Quando governou a maior parte do país, ao emergir vitorioso de uma guerra civil, o Talibã basicamente aplicou uma versão medieval das leis religiosas, removendo mulheres do espaço público.

O grupo acabou derrubado pela invasão americana de 2001, por ter apoiado a Al Qaeda, que havia perpetrado os atentados do 11 de Setembro nos EUA.

A presença ocidental acabou neste ano. A retirada gradual das últimas tropas a partir de abril levou o Talibã a montar uma ofensiva devastadora, que em duas semanas derrubou o governo apoiado pelos EUA de Ashraf Ghani.

Em 15 de agosto, o grupo retomou Cabul, acelerando a retirada de ocidentais e afegãos aliados a eles, em um festival de imagens chocantes em torno do aeroporto da capital –e o mais mortífero atentado já realizado na cidade, atribuído ao rival Estado Islâmico.
Desde então, os talibãs tentam se colocar como uma força mais moderada e interessada em integrar-se ao mundo. Prometeram espaço para mulheres na sociedade e anistia geral, mas a realidade se mostrou diferente até aqui.

Perseguições a adversários e colaboradores de ocidentais são frequentes, mulheres passaram a ser estritamente separadas de homens em locais como universidades e proibidas de fazer esportes. Execuções e amputações de membros de criminosos foram reinstaladas.

A Constituição que valia até a chegada do Talibã havia sido promulgada em 2004, após dois anos de consultas sob o comando dos ocupantes ocidentais. Ela por um lado enfatizava aspectos modernizantes do texto de 1964, mas também ampliava a influência religiosa sobre o Legislativo e setores como a educação.

O presidente tinha poderes bastante amplos também, enquanto o Talibã por ora governa com um colegiado de 12 líderes e 25 ministros, sob a supervisão do líder supremo, o mulá Hibatullah Akhundzada.

O Talibã luta para ter reconhecimento internacional e acesso a verbas e financiamento, mas até aqui conta apenas com a simpatia expressa pela China, Rússia e países do Golfo Pérsico, mas sem apoio efetivo. Há problemas sérios de gestão: a Prefeitura de Cabul disse nesta terça que a cidade corre o risco de um colapso no abastecimento de água.

Fonte:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter