Anadia/AL

26 de outubro de 2021

Anadia/AL, 26 de outubro de 2021

Pacientes relatam tratamento com hidroxicloroquina em hospitais da Prevent Senior

Por GyanCarlo

Em 3 de outubro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
VV

Divulgação | Prevent Senior será investigado pela ANS e Anvisa

Irregularidades envolvendo operadora de saúde vieram à tona na CPI da Pandemia | Raquel Landimda 

Conveniados da Prevent Senior relataram à CNN que receberam o chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19, que não possui eficácia comprovada.

Um deles é Antônio Pereira da Silva, que não é mais associado da operadora de saúde. Depois que a esposa testou positivo para doença em setembro do ano passado, o casal recebeu em casa os medicamentos azitromicina e hidroxicloroquina. Segundo Silva, eles sequer foram consultados se aceitariam tomar os remédios, mesmo no caso dele, que não havia infecção.

Já o aposentado Carlos Alberto Reis, de 61 anos sentiu os primeiros sintomas da doença em março deste ano e se dirigiu a um dos hospitais da rede na época. O paciente fez um teste RT-PCR que só teria o resultado revelado em três dias, porém já voltou para casa com o “kit covid” – hidroxicloroquina, ivermectina, colchicina, entre outros medicamentos.

Reis tomou a medicação, mas precisou voltar ao hospital Sancta Maggiore 10 dias depois, pois estava com falta de ar, queda na saturação e tosse intensa. Ele aguardou por 24 horas um leito para internação, onde não melhorou com o passar dos dias e poderia receber visitas.

A filha do aposentado, Bianca Reis, disse à reportagem que a família optou chamar um médico particular para ir ao hospital conferir o estado do pai. Por intervenção do profissional, Reis acabou sendo internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

No relatório que está anexado ao processo, o médico contratado também relatou que Carlos estava em acomodação comum, sem monitoração, utilizando máscara de oxigênio, com saturação 78% e apresentando dificuldade respiratória, febre e estado de consciência rebaixado.

O protocolo da internação aponta que os rins estavam falhando, mas não foi feita hemodiálise. A unidade da Prevent Senior não tinha bloqueador neuromuscular, medicamento essencial para quem está intubado.

As filhas transferiram o pai às pressas para o hospital Albert Einstein. Depois de quase dois meses internado, Reis recebeu alta.

Ele perdeu 22 kg e ainda enfrenta sequelas da Covid-19. Faz hemodiálise e tem o braço direito completamente paralisado.

Nesta semana o juiz Guilherme Santini Teodoro determinou que a Prevent Senior deposite quase R$ 2 milhões em juízo. O dinheiro será utilizado no final do processo movido pela família para pagar as despesas do hospital Albert Einstein.

Resposta da Prevent Senior

As irregularidades envolvendo a Prevent Senior vieram à tona na CPI da Pandemia. Nesta sexta-feira (1º) a Defensoria Pública da União (DPU) entrou com ação contra o Conselho Federal de Medicina (CFM) por permitir que ainda se utilize cloroquina para tratar a doença.

Procurada pela CNN, a Prevent Senior não quis gravar entrevista. A empresa informou por nota que repudia as acusações mentirosas levadas à comissão e à imprensa.  A operadora também diz que entrou com recurso no processo envolvendo a família de Carlos.

Já o CFM afirmou que ainda não recebeu qualquer comunicação judicial sobre a ação da DPU. E que, caso seja acionado, oferecerá todas as informações pertinentes.

Fonte: CNN

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter